Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
educacao cabo frio

Menina com autismo sofre por não ir mais ao colégio em Cabo Frio

Mãe relata que adolescente se agride frequentemente por mudanças na rotina

22 junho 2016 - 11h22
Menina com autismo sofre por não ir mais ao colégio em Cabo Frio

A vida da mãe da jovem Eduarda não tem sido nada fácil nos últimos dois anos. O drama de Reneé Castanho e da filha autista de 12 anos já é conhecido do leitor da Folha desde 2014, quando o jornal relatou em sucessivas matérias a dificuldade de adaptação da criança à escola pela escassez de funcionários preparados para lidar com o transtorno

Dois anos depois, a família não tem passado ilesa pela crise na Educação do município. Com a greve dos professores para cobrar os atrasos salariais e a falta de pagamento de outros direitos, a rotina da criança foi afetada, segundo Reneé. 

Por ficar mais tempo em casa, Duda, como a criança é chamada, tem ficado bastante agitada. As crises nervosas, ela comenta, têm feito a menina quebrar coisas e se ferir  de propósito nos braços, nas pernas e em outras partes do corpo. O desespero fez Reneé contar o seu sofrimento e o da filha em uma postagem na rede social.

– O autista precisa de uma rotina e, quando isso foge a ela, acaba se agredindo. Ela não entende o que é greve, que é isso que não a deixa ir para a escola. A gente não sabe mais o que fazer. Se  nada for feito, ela vai continuar se agredindo até acontecer alguma coisa mais séria – preocupa-se a empresária.

Mas se engana quem acha que a mãe joga a responsabilidade do seu problema nas costas dos professores fora de sala de aula.  Reneé é mais uma a engrossar o coro de críticas pelos atrasos no pagamento aos funcionários da Educação.

– Sou totalmente solidária a eles. Reúnem meia dúzia de pais que nem sei quem são. Não acredito que um pai ou uma mãe acreditem que o prefeito esteja certo. A verba é passada para o pagamento  dos professores e isso não é feito. Política não me interessa. Luto apenas pelos direitos da minha filha – afirma.