Assine Já
terça, 27 de julho de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Meio Ambiente intensifica combate à poluição sonora e à lava jatos irregulares

Estabelecimentos estão sendo multados e podem perder alvará de funcionamento

12 março 2019 - 09h18
Meio Ambiente intensifica combate à poluição sonora e à lava jatos irregulares

Agentes da Coordenadoria do Meio Ambiente da Secretaria de Desenvolvimento intensificam a fiscalização acerca da poluição sonora causada por estabelecimentos comerciais em toda a cidade.  Além disso, o objetivo é verificar a documentação dos lava jatos, que devem estar de acordo com as normatizações do Inea – Instituto Estadual do Ambiente – em relação ao descarte da água utilizada na lavagem dos veículos e do óleo, quando há serviço de troca de óleo ou lavagem de motores.

A fiscalização já vinha ocorrendo normalmente e foi intensificada durante o período do Carnaval e a intenção da Coordenadoria é manter o mesmo ritmo a partir de agora.

“O maior volume de reclamações e denúncias que recebemos em nossos canais de comunicação com a população é referente à poluição sonora nos estabelecimentos comerciais noturnos, principalmente na Avenida Porto Alegre, que se tornou um point gastronômico.  “Os proprietários desses estabelecimentos precisam saber que há uma legislação ambiental que limita a emissão sonora. Infelizmente alguns não têm dado a devida atenção, o que gera muitas denúncias. Nós damos todas as chances para que eles se enquadrem, mas, em casos de reincidência, multamos e, dependendo da gravidade, podemos até cassar o alvará de funcionamento.  É preciso que se entenda que há uma Lei e ela deve ser respeitada”, afirmou o coordenador de Meio Ambiente, Mario Flavio Moreira.

A fiscalização nos lava jatos observa, prioritariamente, a documentação, que precisa ser coerente com as atividades exercidas no estabelecimento.  Onde há lavagem de motores e serviços de troca de óleo, são necessários uma série de procedimentos para evitar que o óleo residual vá parar na rede de esgoto ou de coleta de águas pluviais.  Os estabelecimentos que não apresentam documentação ou equipamentos para a coleta do óleo residual estão sendo notificados a se enquadrar na Lei Ambiental Municipal e Estadual.