Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
medalha

Medalha de lata em sustentabilidade em Arraial

Estudiosos se preocupam com lixo despejado em competições ao ar livre

12 abril 2017 - 09h29Por Rodrigo Branco | Foto: Rafael Guimarães Botelho
Medalha de lata em sustentabilidade em Arraial

O despejo de resíduos sólidos durante competições esportivas, sobretudo plásticos em áreas de preservação ambiental,tem sido fonte de preocupação de um grupo de estudiosos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) de Arraial do Cabo, que monitora a situação.  A prática de descarte irregular põe em xeque o equilíbrio dos ecossistemas costeiros. O professor Rafael Guimarães Botelho, que coordena os estudos, critica a falta de providências dos organizadores quanto ao descarte dos materiais durante as provas. 
Como exemplo, o especialista citou a corrida World Trail Run (WTR), disputada em Arraial em junho do ano passado. Na ocasião, Botelho registrou dezenas de copos plásticos jogados na beira do mar da Prainha. Com o aumento da maré, o lixo foi levado para a água, levando risco para as espécies marinhas. Muitas tartarugas, por exemplo, confundem o plástico com alimento e acabam morrendo.
– São três relações que a literatura científica enumera entre esporte e ambiente. A primeira é positiva, em que o esporte é protetor da natureza, caso dos surfistas que limpam a área onde ficam. Tem ainda o esporte como agressor e o meio ambiente incidindo sobre a prática esportiva, caso do calor e da chuva. A relação deixa de ser harmoniosa por causa dos efeitos antrópicos, ou seja, motivados pelo homem.
O professor ressalta ainda que neste tipo de ambiente deve-se tomar todos os cuidados possíveis, inclusive evitar levar e, muito menos, descartar lixo, principalmente, plásticos. 
Além de séria, a questão compromete as atuais e futuras gerações. O plástico, por exemplo, decompõe-se entre 400 e 500 anos.
– Estudos recentes mostraram que estas substâncias interferem no sistema endócrino, podendo causar alterações hormonais e acarretar doenças como endometriose, câncer de mama e uterino nas mulheres, além de câncer de próstata e redução da libido (desejo sexual) e do número de espermatozoides nos homens – adverte Luciana Soares da Silva, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

* Confira matéria completa na edição desta quarta (12) da Folha dos Lagos.