Assine Já
terça, 14 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 279 8
Arraial do Cabo 9 88 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 14 257 20
São Pedro da Aldeia 4 537 20
Saquarema 9 599 35
Últimas notícias sobre a COVID-19
diplomado

Marquinho Mendes é diplomado e pede pacto por reconstrução

Em discurso, prefeito eleito pregou união entre situação e oposição para tirar Cabo Frio do caos

16 dezembro 2016 - 06h46
Marquinho Mendes é diplomado e pede pacto por reconstrução

Com uma base parlamen­tar de pelo menos 13 vereado­res antes mesmo de assumir o mandato, o prefeito eleito de Cabo Frio Marquinho Mendes (PMDB) pregou a união entre situação e oposição, ontem, du­rante a cerimônia de diploma­ção dele; da vice-prefeita eleita, Rute Schuindt; dos vereadores e dos primeiros suplentes. A ceri­mônia, que durou cerca de uma hora, foi realizada no fórum da cidade, no Braga, apenas com a presença de autoridades, dos fa­miliares dos candidatos eleitos e da  imprensa da cidade.

Após a entrega dos certifica­dos, Marquinho, o único a ra­pidamente discursar, agradeceu ao seu grupo político, mas disse que conta com o apoio de todos os vereadores, pelo menos no início do mandato.

– Serei o prefeito de todos os 17 vereadores. As questões par­tidárias devem ficar no campo político-partidário. A reconstru­ção é necessária e pegamos a missão de reconstruir essa cida­de falida, com salários atrasados e com um passivo que ultrapassa os R$ 300 milhões. Quero divi­dir a responsabilidade com todos – declarou.

A diplomação de Marqui­nho aconteceu um dia antes da data prevista para a última ses­são de julgamento de processos no Tribunal Superior Eleitoral, marcada para hoje. Caso o TSE confirme o registro de candida­tura de Marquinho ou não haja julgamento, o prefeito eleito as­sumirá normalmente em 1º de janeiro, sendo que na segunda hipótese, o caso só voltará a ser analisado em fevereiro, após o recesso da Justiça. No entanto, tudo muda e novas eleições se­rão realizadas em caso de derro­ta em Brasília, fato considerado improvável pela defesa.

 

*Confira a matéria completa na edição de hoje da Folha dos Lagos