Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Marquinho

Marquinho estipula prazo de 100 dias para pôr ordem na cidade

Período servirá para dar 'limpeza na casa', segundo o prefeito

02 janeiro 2017 - 23h09Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Marquinho estipula prazo de 100 dias para pôr ordem na cidade

No primeiro dia útil de mandato, ontem, a agenda do prefeito de Cabo Frio, Marquinho Mendes (PMDB), ficou lotada de compromissos, afinal não há tempo a perder na tarefa de tirar a cidade do buraco. E o prazo para, pelo menos, tentar recolocá-la nos trilhos da normalidade já foi estipulado: a emblemática data de 100 dias, isto é, no próximo dia 10 de abril.

Em meio a reuniões com a equipe, visitas a unidades de Saúde e atendimento à população, Marquinho recebeu a reportagem para um bate-papo no seu gabinete, cuja decoração estava reduzida ao mínimo, uma vez que assim como no restante da sede, vários itens foram retira­dos nos últimos dias da gestão de Alair Corrêa.

– Eles deixaram essa cidade destruída, falida. Aqui está a pro­va, só no prédio administrativo, a gente vê o desleixo da adminis­tração passada. Aqui, eu ainda sou um pouco privilegiado por­que deixaram o ar funcionando. O resto levaram tudo – ironizou.

Assim como fez nos meses entre a eleição e a posse, Mar­quinho bateu novamente na te­cla do discurso de reconstrução da cidade, mas pediu paciência à população e disse que os pri­meiros tempos serão ‘de sacrifí­cios’. Mas, em plena alta tempo­rada, alguns setores não podem esperar.

Com a greve dos funcionários que atuam na organização das ruas da cidade, foram contrata­dos temporariamente 280 agen­tes, sendo 180 para trabalhar na Postura e 100 na Guarda Mu­nicipal. Para atender à área de Saúde, que fica sobrecarregada nesta época do ano, foi normali­zado o atendimento nas Unidade de Pronto Atendimento do Par­que Burle e de Tamoios. O HCE, contudo, permanecerá aberto. Por sua vez, o Hospital da Jar­dim Esperança, antes restrito às internações, também voltará a atender emergências. O Hospital da Criança, no Guarani, ficará fechado por tempo indetermi­nado para reestruturação. Deste modo, o atendimento e a inter­nação pediátricas serão transfe­ridos para uma ala do Hospital da Mulher, no Braga, reaberto ontem.

– Os 100 dias são para ‘limpe­za da casa’, para depois a gente conseguir deslanchar no que diz respeito à cidade como um todo – disse Marquinho.

No entanto, deslanchar signi­fica alavancar as receitas e fazer os necessários cortes na folha de pagamento. Para isso, de acordo com o prefeito, já estão sendo preparados decretos municipais em conjunto com a Procurado­ria-Geral e a equipe financeira. Uma série de mensagens também já estão sendo preparadas e, em breve, serão enviadas à Câmara Municipal. Uma das primeiras será um projeto de lei que estipu­lará condições facilitadas de pa­gamento das cotas atrasadas do IPTU, com direito a anistia das multas e juros. Os benefícios, ele acredita, serão a médio prazo.

– Todos terão que entender que as soluções não serão de imediato. Não podemos come­ter erros. Tem que ter um pou­quinho de paciência para que a gente possa avançar – planeja Marquinho.