Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Marquinho

Marquinho diz que quem permanecer em greve terá salário descontado

Prefeito afirma que já pagou servidores e que não vai negociar com Sepe

16 setembro 2017 - 07h25Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
Marquinho diz que quem permanecer em greve terá salário descontado

Cinco dias após o começo da greve do funcionalismo municipal, o prefeito Marquinho Mendes (PMDB), resolveu falar grosso com os servidores. Ao alegar já ter pago os salários de agosto a quase todos, Marquinho afirmou que vai cortar o ponto de quem faltou ao trabalho a partir desta sexta (15). O prefeito disse também que falta pagar apenas aos funcionários comissionados, o que pretende fazer até quarta-feira (20). 

– Em primeiro lugar, a adesão à greve foi mínima, o que mostra que eles a fizeram de forma precipitada, prejudicando os alunos da rede por causa de três dias de atraso. Isso é inaceitável pelo fato de prejudicar os alunos. Ficaram cinco meses sem receber e fizeram isso por causa de três dias. Não levaram em conta as dificuldade que passo pelo enorme passivo deixado por Alair. A greve acaba quando é feito o pagamento. A partir de hoje (ontem), quem faltar será descontado – ameaçou.

Questionado sobre o fato de que existem outras pautas de reivindicação na Educação e a disposição para negociá-las com o Sepe, o prefeito também foi incisivo.

– Só sentaria na mesa se tivessem consultado a prefeitura ou o prefeito antes de decretarem a greve. Depois que eu faço o pagamento, não tem negociação. Não tenho que que sentar para negociar com o Sepe. Tenho é que honrar o pagamento dos salários – dispara.

As declarações repercutiram muito mal junto ao Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos). A categoria realizou uma assembleia na noite desta sexta (15) pela qual ficou definido que a greve vai continuar. A diretora de imprensa da entidade, Denise Teixeira, negou que o pagamento de agosto tenha sido feito e criticou duramente as palavras do prefeito.

– É surreal. Desde que a prefeitura rompeu acordo judicial em abril, e inclusive já notificamos a Justiça desse descumprimento, tentamos negociar sem sucesso as parcelas de 2015 e o plano de carreira. A falta do pagamento foi a gota d’água. A categoria não aguenta mais tanto descaso que a Educação pública recebe do prefeito. Não vamos aceitar ameaças. Isso é assédio. É crime e vai ser tratado como tal. Ele vai ter que provar na Justiça que pagou a gente e pedir ilegalidade da greve – disse Denise.