Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
marinha

Marinha encerra buscas por piloto desaparecido em Saquarema

O capitão de corveta Igor Bastos se acidentou no último dia 26 de julho

23 outubro 2016 - 09h29
Marinha encerra buscas por piloto desaparecido em Saquarema

As buscas pelo capitão de corveta Igor Bastos foram encerradas pela Marinha, sem nenhum resultado, na noite da última sexta-feira (21), quando o piloto completava 88 dias desaparecido por um acidente em que o avião caiu no mar de Saquarema. O desastre ocorreu em treinamento padrão de ataque a alvos de superfície a 44 km da costa.

"As equipes de salvamento realizaram, nesse período, varredura ao longo da área marítima e trechos de praia situados nas imediações do acidente, inclusive com o emprego de mergulhadores da Marinha do Brasil, porém, lamentavelmente, o piloto e a aeronave não foram encontrados", dizia o comunicado.

No último dia 26 de julho, o avião de Igor acabou colidindo com um outro, provocando a queda. No dia seguinte, as buscas incessantes começaram tanto pelo piloto quanto pelo caça. Desde então, a Marinha conseguiu achar duas rodas da aeronave AF-1 Skyhawk em locais distantes: uma em Figueira, distrito de Arraial e outra na Praia do Peró, Cabo Frio. O material encontrado mostrou que o raio da busca é cada vez maior, o que só dificulta a operação de centenas de militares.

O caça AF-1 Skyhawk é uma unidade obsoleta, que a Marinha adquiriu 23 unidades do modelo depois da Guerra do Golfo.Ou seja, a aeronave não tem caixa-preta ou qualquer localizador. A corporação fez uma verdadeira operação de guerra para achar o militar: aeronaves da Marinha, do Exército Brasileiro, da Força Aérea Brasileira e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro; navios da própria Marinha, subordinados à Esquadra, ao Comando do 1º Distrito Naval e à Diretoria de Hidrografia e Navegação; e navios contratados pela empresa Petrobras foram alguns dos meios utilizados para a a busca.