Assine Já
quinta, 03 de dezembro de 2020
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12883 Óbitos: 550
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1360 17
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 1997 79
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
afogamento

Mar cristalino pode ter confundido mergulhador em Arraial

Jovem praticava pesca submarina em apneia, modalidade considerada de risco

12 março 2016 - 20h44Por Rodrigo Branco

 

A beleza cristalina que encanta turistas e nativos no mar de Arraial do Cabo é a mesma que pode provocar a morte, como a do mergulhador Alexsandro Alves, de 30 anos, cujo corpo foi encontrado a 25 metros de pro- fundidade, próximo à Ilha do Farol, no começo da semana. De acordo com informações de pessoas que trabalham no mar, as condições da água, excessivamente clara, podem ter confundido o rapaz que praticava
o mergulho na modalidade ‘apneia’, também conhecida como mergulho livre, ou seja, apenas no fôlego, sem o auxílio de cilindros de oxigênio.

– Quando a água é muito azul, dá uma falsa dimensão de profundidade. Você desce e tem a nítida impressão de que está menos fundo do que está por causa da refração da luz e da máscara que aproxima o objeto em 30%. Mas ele era experiente, ‘diver (mergulhador) master’. Infelizmente não tem como prever isso – lamenta Alexandre Jovita, presidente da Associação de Mergulhadores Recreativos de Arraial.

As circunstâncias da morte de Alexsandro não são totalmente conhecidas. Sabe-se apenas que ele praticava pesca submarina e tinha um peixe preso ao arpão que carregava. A única certeza é que mesmo a experiência do mergulhador não foi suficiente para livrá-lo dos riscos envolvidos no mergulho de apneia, prática esportiva bastante difundida na Europa, com a disputa de campeonatos. O também mergulhador Jorge Luiz de Paula, o Jorginho Mergulhador, reforça que a atividade é arriscada e não recomendada. Segundo ele, a prática requer muito preparo físico. Jorginho comenta que a técnica mais usada é a chamada interventilação, na qual a pessoa prende e solta o ar dezenas de vezes antes de
submergir.
– Há alguns anos resgatei um rapaz que era campeão de caça submarina e participei de outros resgates. Muitos desmaiam. Apagar nesse casos é normal. Não recomendo esse tipo de mergulho, mas se fizer tem que levar equipamento de stand-by e uma pessoa de ‘sombra’ ao lado – explica.

Alexandre Jovita reforça os argumentos de Jorginho.

– O procedimento certo é um ficar no barco e o outro no fundo. Mas só se sabe que tem problema quando se dá falta da pessoa. Também não há curso, legislação nem carteira para esse tipo de mergulho – afirma.

ATENÇÃO

De acordo com a pneumologista Anete Amorim, a falta de respiração em um intervalo prolongado pode levar à hipóxia, que é a baixa de oxigenação na corrente sanguínea. Dependendo da situação, pode haver a paralisação da atividade cerebral e do coração, levando a pessoa à morte.