Assine Já
quinta, 03 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12883 Óbitos: 550
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1360 17
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 1997 79
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
surfistas

Mar agitado faz a festa dos surfistas na região

​Depois de ‘superondas’, condições para o esporte são consideradas ideais pelos praticantes

17 agosto 2017 - 11h52Por Rodrigo Branco I Foto: Jorge Porto
Mar agitado faz a festa dos surfistas na região

As ‘superondas’ previstas pelo Centro Hidrográfico da Marinha podem até ter acontecido no último fim de semana, mas para muitos surfistas o melhor ficou guardado para os dias seguintes. Tanto na quarta (16) como nesta quinta-feira (17), na Praia do Forte, era grande o número de pessoas na água para aproveitar as condições do mar, consideradas as ideais para a prática do esporte: ondas não tão grandes, mas com intervalos maiores e melhores formações. 

– O melhor dia foi hoje (quarta). Foi quando aproveitei mais. Nos dias anteriores, as condições do mar estavam adversas e havia uma ou outra onda boa. Era preciso estar bem colocado e estar com bom preparo porque não é coisa que se vê assim no dia a dia. Como eu tinha previsto, conforme ela vai baixando, vai melhorar – afirmou o experiente surfista Guilherme Henrique, 54.

Contudo, de acordo com o colega cabista Raul Arrabal, 38, o alarde em torno do fenômeno natural do fim de semana foi maior do que a intensidade das ondas que chegaram à costa da região.

– Elas (ondas) realmente quebraram em lugares exóticos, como no Aterro do Flamengo e na Praia de Icaraí, em Niterói, mas aqui na região, acho que isso se perdeu, comparado a outras ocasiões – analisa.

A força da correnteza, ontem, chegou a diminuir pela metade a faixa de areia na Praia do Forte, o que foi insuficiente para espantar os banhistas.

Quem foi, foi – De acordo com o Serviço Meteorológico da Marinha, a expectativa é que a ocorrência natural comece a perder a força a partir de hoje. Segundo o órgão, o vento, um dos principais elementos para o fenômeno marítimo, tem sua intensidade diminuída gradativamente. 
Por esse motivo, não há previsão de ressacas para os próximos dias. Se ontem ainda foram registradas ondas com altura de 2,6 metros, a partir de hoje, esse tamanho diminuirá pouco a pouco. Para amanhã, a previsão é de normalização do cenário, com ondas de cerca de um metro de altura.