Assine Já
segunda, 18 de outubro de 2021
Região dos Lagos
21ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
TRISTE ROTINA

Local de recentes episódios de violência, Manoel Corrêa sofre com falta de serviços públicos

Comunidade reclama do abandono das autoridades e da falta de projetos para os jovens

22 novembro 2019 - 19h29Por Rodrigo Branco
Local de recentes episódios de violência, Manoel Corrêa sofre com falta de serviços públicos

Um bairro em meio ao fogo cruzado e longe do olhar das autoridades. Assim se sentem moradores e profissionais que trabalham no Manoel Corrêa, que sofre com o aumento dos episódios de violência, como o da semana passada, que deixou duas crianças, uma de três e outra de cinco anos, feridas por tiros, cuja origem ainda está sendo investigada. Mas se a face mais conhecida do estado na comunidade é a da farda e das viaturas de polícia, que faz operações constantes na localidade; o outro lado da moeda, que deveria ser o da ocupação social, essa nem de longe se faz presente, relatam aqueles que vivem o dia a dia de um bairro que estampa seguidamente as manchetes policiais.

O pedido por atenção, feito por um grupo de moradores anteontem, antes e durante a sessão da Câmara Municipal, não é só discurso. Basta andar pelas ruas da comunidade para verificar uma série de problemas, como infraestrutura urbana precária; serviços públicos insuficientes e a falta de espaços adequados para esporte e lazer. Sem projetos culturais e esportivos, a juventude fica sem opções e referências consideradas positivas.

– Acredito que o projeto social tem o poder de educar, de socializar, porque todos eles trabalham com disciplina e regras. Você tem hora de chegar, tem a hora de tocar. Então a criança começa a entender que existem regras, não tem como passar por cima disso. O que acontece é que a falta disso faz com que as pessoas não tenham esperança de um dia melhor. Tem jovem aqui que me disse que nunca foi ao cinema, com 17 anos. É de cortar o coração – relata o produtor cultural Jurandir Brandão, um dos responsáveis pelo projeto de percussão Tambores Urbanos. 

O presente conturbado acaba por comprometer o futuro. Não bastasse a crise na Educação municipal, por causa dos salários atrasados e sucessivas greves, os alunos de unidades do Manoel Corrêa ainda tem a ingrata tarefa de tentar absorver conteúdo enquanto tentam não ser atingidos por uma bala perdida durante os tiroteios que tornaram-se cotidianos na comunidade.
Não há relatos científicos sobre o assunto, mas profissionais ouvidos pela Folha atestam que a situação tem provocado problemas de aprendizagem e transtornos comportamentais em estudantes, que ainda estão em formação da personalidade. Sônia Soutinho é conselheira municipal de Educação e trabalha na creche Elenita Ferreira dos Santos Abreu.

Segundo a profissional, qualquer ruído é o suficiente para que os alunos se joguem ao chão e se abriguem sob as carteiras, enquanto as professoras tentam acalmá-los com leitura. A situação chegou a provocar trauma em um aluno, cuja família precisou se mudar para outro local.

– Tenho amiga que tem um filho de quatro anos e o garoto parou de falar. Ela morava próximo à escola e conseguiu uma casa nas Palmeiras, e o menino voltou a falar. Ele ficava desesperado. Isso é muito sério – conta a profissional. 

A professora de 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental Suzana Jotta confirma as palavras da colega, quanto à rotina de terror. Ela trabalha na Escola Themira Palmer e afirma que, praticamente toda semana, há episódios de violência dentro e nos arredores da escola. 

Para completar o quadro, a docente critica a estrutura da escola, que funciona em tempo integral (das 7h30 às 15h30). Exatamente pelo horário estendido, as refeições são feitas no colégio, mas o espaço insuficiente no refeitório faz com que muitas crianças alimentem-se no pátio, diz a professora. Falta de cobertura; parte elétrica comprometida, entupimento da caixa de gordura estão entre os outros problemas relatados. Dentro desse contexto, Suzana concorda que a formação dos estudantes fica comprometida.

– Com isso, o rendimento escolar fica inteiramente prejudicado. A gente não consegue terminar um dia que seja tranquilo.  E isso interfere completamente no processo de aprendizagem da criança – afirma a professora.

O presidente da Câmara, Luis Geraldo (Republicanos) ficou de agendar, até a semana que vem, uma visita de vereadores para verificar os problemas do bairro. O compromisso foi assumido em reunião com moradores de moradores e parte dos parlamentares, após a sessão de anteontem da Casa. 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.