Assine Já
domingo, 20 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
protesto

Manifestações tomam ruas de Cabo Frio

Protestos contra reformas da Previdência e Trabalhista têm boa adesão na cidade

28 abril 2017 - 17h39Por Texto e foto: Gabriel Tinoco
Manifestações tomam ruas de Cabo Frio

A dois dias do Feriado do Trabalhador, a classe não quer saber de festa em Cabo Frio. Em vez disso, centenas de manifestantes saíram às ruas, bradaram contra as reformas do governo Temer, empunharam cartazes e fecharam o trânsito pela cidade nesta sexta (28). O ato teve sindicalistas,
estudantes, líderes partidários e os mais variados trabalhadores.

Os manifestantes saíram da Praça Porto Rocha, subiram a ponte Feliciano Sodré e pararam na altura da quadra do Itajuru. O trânsito ficou lento
apenas por alguns minutos. O movimento contou com discursos inflamados, além dos tradicionais cantos de protesto. Ao terminarem a primeira passeata, alguns integrantes foram apoiar o ato no centro do Rio. A segunda manifestação, na Praça Porto Rocha, entre o fim da tarde e o começo da noite foi comandada pelos estudantes.

– Essa foi a primeira greve e,com certeza, já deve ter sido a maior da história. Deslocamos as vans para fortalecer a luta na capital – discursou a diretora do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe), Denise Teixeira, seguida por um sonoro 'Fora Temer'.

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Cabo Frio (Sindicaf), Olney Vianna, está com expectativas para o efeito da mobilização.

– O intuito do movimento  é mobilizar e conscientizar a classe trabalhadora. A ideia é não deixar a luta isolada. Um dos organizadores do ato, Lucas Muller estava satisfeito

Mobilização vai continuar, promete organização

Um dos organizadores do movimento, o cineasta Lucas Muller, afirmou que a mobilização continuará e que o atos desta sexta serão os primeiros de muitos

– O próximo ato sem dúvida alguma será unificado. Todos nós queremos uma cidade melhor, masi democrática, mais humana e a luta por direitos tem que ser vigente e contínua – afirma Muller.

A estudante Antônia Velloso está insatisfeita com a falta de diálogo do governo.

– Hoje a gente vê que a democracia não existe. O governo está impondo para a gente refirmas que vão tirar direitos dos trabalhadores e dos estudantes. As reformas são necessárias, mas o problema é que estão sendo feitas pra beneficiar os grandes empresários – finalizou