Assine Já
terça, 19 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Servidores

Manifestação da Educação e da Saúde em Cabo Frio vira caso de polícia

Servidores e guardas entram em confronto na Secretaria de Fazenda

17 dezembro 2015 - 09h28Por Gabriel Tinoco

Um protesto da Saúde e da Educação na Secretaria de Fa­zenda de Cabo Frio foi parar na 126ª DP na tarde de ontem. A confusão teria começado quando alguns servidores queriam ir ao banheiro e o pedido foi recusa­do pelos guardas municipais. De acordo com testemunhas, a dis­cussão ficou acalorada e acabou em trocas de empurrões e xinga­mentos. Os funcionários foram aconselhados a deixar a pasta e voltar apenas no dia seguinte.

Um guarda municipal mos­trou as marcas do tumulto. De acordo com ele, o machucado teria sido por causa do vidro derrubado na mão esquerda por uma das manifestantes. Diver­sas integrantes do Sindicato dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe-Lagos) saíram com braços e pernas fe­ridos.

Uma das reclamações dos manifestantes era que a Prefeitu­ra mandou desligar a luz durante a ocupação para aumentar o ca­lor. “Eles procuram usar a tática do abafa para que a gente saia. Desligar a luz e deixar os mani­festantes no calor”, disse um dos manifestantes.

A Secretaria de Educação também não funcionou ontem. Um funcionário terceirizado ba­teu de cara na porta na tarde de ontem e disse não ter recebido nenhum comunicado do fecha­mento. Um guarda municipal que preferiu não se identificar disse que a secretaria foi fechada por conta do medo do governo de outras ocupações. Logo de­pois da confusão, um advogado da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) foi acompanhar o caso na delegacia.

A coordenadora do Sepe, Júlia Barreto, disse ter sido chutada e quase pisoteada na ocupação.

– Eles me puxaram e me joga­ram no chão. Chutaram a minha perna. Também estou com arra­nhões no peito. Os profissionais da Saúde também estavam lá. Achei que seria pisoteada. Foi uma sensação horrível.

De acordo com Simone Ma­rinho, também integrante do Sepe, um guarda usou um casse­tete durante a confusão.

– Queríamos ir ao banheiro, mas os guardas não deixaram. Durante a confusão um deles bateu com o cassetete no vidro, que quebrou. Depois ele bateu com o cassetete em mim.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (17)