Assine Já
sexta, 04 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
23ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12983 Óbitos: 554
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1460 21
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 1997 79
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ato

Manifestação dos servidores pede direitos e infraestrutura

Ato acontece em frente à secretaria de Educação na manhã desta terça (24)

24 novembro 2015 - 09h19

Os profissionais da Educação voltaram à sala de aula, o que não significa que estejam satisfeitos. Tanto que os servidores realizam ato em frente à Secretaria de Educação na manhã desta terça (24), a partir das 9h. O protesto reivindica causas antigas da categoria como vale-transporte, enquadramento, liberação das aposentadorias, pagamento dos atrasa­dos e auxílio doença. A manifestação é a primeira das duas definidas na última as­sembleia dos professores.

Além das conhecidas pautas da manifes­tação, a categoria também exige mais in­fraestrutura nas unidades de ensino. O ato cobra, em caráter de urgência, a providência de merenda nos colégios municipais e uma melhor estrutura nos prédios escolares.

A diretora do Sindicato dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe Lagos) está esperançosa apesar de tanto tempo de negociação da mesma pauta. Ela espera sensibilidade do governo na hora de avaliar as reivindicações da categoria.

– Esperamos que alguém do governo atenda a gente para trazer o melhor para a categoria. É uma pauta antiga. Esperamos que haja alguma negociação e que o gover­no se sensibilize e atenda as reivindicações da categoria – comenta ela.

Dezenas de servidores deverão estar munidos de faixas e apitos na frente da sede da secretaria. O sindicato organizou inúmeras manifestações nos últimos me­ses devido ao atraso no pagamento dos funcionários – que saiu com inúmeros direitos descontados. A crise se agravou quando a Secretaria de Administração publicou nota não reconhecendo o movi­mento e fazendo ameaças de corte no pon­to dos professores que não compareceram em sala de aula. A saída do salário, no en­tanto, fez com que a categoria suspendes­se a paralisação momentaneamente.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira (24)