Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ciclovia

Malha cicloviária é maior falha na região

Com seis mortes em um ano, entidades criticam falta de planejamento urbano

29 julho 2015 - 08h03

Cabo Frio, 2014/2015: Pablo Souza, 23 anos, Avenida Tei­xeira e Souza; Renilton da Con­ceição, 53, Rua Jorge Lóssio; Marciano José de Oliveira, 62, Avenida Júlia Kubitschek; Ra­quel Oliveira, 38, Ponte Felicia­no Sodré; Celso Brito, 60, Ave­nida Wilson Mendes. Iguaba, 2015: Homem não identificado, 65, Rodovia Amaral Peixoto. São Pedro da Aldeia, 2014: Fe­lipe Santos, 20, Rodovia Ama­ral Peixoto. Arraial do Cabo, 2014: Aline Rodrigues, 28. Em comum, essas pessoas comparti­lhavam o desafio de circular de bicicleta em cidades sem infra­estrutura cicloviária básica.

Como resultado, seis mortes em cerca de um ano e nenhuma solução à vista. Para que casos assim não se repitam, ciclistas e entidades civis têm uma lista de sugestões: ciclovias, sinalização, campanhas educativas para mo­toristas e ciclistas, acostamentos em vias de grande velocidade, corredores para veículos meno­res, além de planejamento para reduzir impactos no trânsito.

– Cabo Frio não tem estrutura básica. Vias movimentadas ca­recem de sinalização. A impru­dência na cidade cresce quase que na proporção da quantida­de de veículos. Tem que haver investimento em todos os seto­res. Uma audiência pública seria uma ótima iniciativa, por exem­plo – destacou Marco Souza, um dos diretores da Associação Ciclística de Cabo Frio (Acicaf).

O advogado Renato Gonçal­ves, diretor da OAB Cabo Frio aponta falha do poder público em preparar a cidade para o mo­rador. A maior crítica se refere às condições das estradas, que “fazem com que Cabo Frio pa­reça uma cidade de rali”.

– Pedágio é caro, IPVA é caro e isso não se reflete em inves­timentos nas estradas, que são esburacadas. A RJ-140, que liga Cabo Frio a Arraial, é vergo­nhosa. O poder público tem que oferecer contrapartida, que é es­trutura. Por sua vez, motoristas precisam andar dentro das nor­mas, já que a maioria dos aci­dentes acontecem por excesso de velocidade – considerou.

A falta de um plano de mo­bilidade é discussão antiga no município e que recorrentemen­te emperra em algum entrave, seja burocrático, seja de vontade política. Ou de ambos. Recente­mente, a Prefeitura de Cabo Frio perdeu prazo para garantir ver­bas federais para investimento em mobilidade justamente por­que não apresentou plano para o setor. Agora, os recursos terão que sair dos cofres municipais.

Na região, apenas Búzios e Rio das Ostras cumpriram de­terminação da lei 12.587, que determina integração entre dife­rentes modos de transporte, além de melhoria de acessibilidade. A RJ-140, por exemplo, onde a enfermeira Aline Rodrigues foi atropelada e morta, é um dos pontos críticos de acidentes.

Segundo Luciano Silveira, que é presidente da Associação de Arquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos (Asaerla), a discussão e aplicação de um pla­no de mobilidade se faz urgente e necessária para a cidade.

– A Prefeitura não se mobili­zou sobre o plano da cidade, per­deu recursos significativos. Pas­sou da hora de abrir a discussão sobre esse tema. É frequente o problema com ciclistas. Vamos tentar novo encontro, mas ape­lamos para que o governo faça essa discussão – concluiu.