Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
defeso

Mais de 200 pescadores vão ficar sem 'bolsa defeso'

Problema teria sido gerado por alterações nos ministérios do Governo Federal

01 agosto 2017 - 09h51Por Gabriel Tinoco
Mais de 200 pescadores vão ficar sem 'bolsa defeso'

O Defeso da Lagoa de Araruama, que começa hoje e se estenderá por três meses, já evidencia um problema em seu primeiro dia: mais de 200 pescadores em Cabo Frio não receberão o bolsa defeso pela não emissão de carteiras da Colônia dos Pescadores da cidade (Z-4). O transtorno teria sido gerado por alterações nos ministérios do Governo Federal. Ao todo, 158 cadastrados vão dar entrada para garantir, ao menos, um salário mínimo durante o período.
– Desde 2012, os pescadores estão esperando as carteiras ou as certidões provisórias. Para poder receber, a Pesca saiu do Ministério da Agricultura e foi ao Ministério da Índustria e Comércio. Não sabemos ainda como o setor vai trabalhar – explica o superintendente de Pesca Alexandre Marques.
De acordo com o superintendente, o risco do desrespeito ao defeso existe.
– Peço que os pescadores respeitem o Defeso. Sei que esse é um dos riscos – diz.
As secretarias de Meio Ambiente de toda região terão ações conjuntas com a Unidade de Polícia Ambiental (Upam). Cada município será responsável pela sua área. As ações serão combinadas entre os policiais e as pastas.
– Vamos marcar operações para coibir a demanda no periodo do defeso. Vamos dar continuidade a todas as funções, com o foco voltado para essas pescas irregulares – afirma Eduardo Pereira, chefe da Divisão Administrativa da Upam.
O lançamento do defeso acontecerá hoje, às 10h, em Iguaba, ao lado do posto do Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRv). O evento comunicará o defeso e dará orientações aos pescadores.
Importância ambiental - O coordenador de Meio Ambiente de Cabo Frio, Eduardo Pimenta, vê grande importância da proibição para a região.
– É de extrema relevância a manutenção dos estoques de peixes e de camarões. É o que garante a empregabilidade do setor pesqueiro extrativista da lagoa, que movimenta bem a economia da cidade. Além de ofertar peixe, movimenta fábrica de gelo, rede, construção naval, óleo diesel.... A ideia é manter a captura em nível de recuperação. Você pode retirar, mas não comprometer gerações futuras. Os peixes contribuem para o equilibrio ambiental da lagoa – afirma Eduardo.

Foto: Jeferson Vianna