Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Colmeia

Mãe pede retirada de colmeia que atacou família esta semana e matou cachorro

‘Foi meu cachorro, mas poderia ser uma criança’

01 outubro 2015 - 10h33

NICIA CARVALHO

“Foi meu cachorro que mor­reu, e que era muito amando, mas poderia ser uma criança ou até mesmo um idoso que não pu­desse ter condições de correr das abelhas. Faço apelo às autorida­des. Não é responsabilidade dos bombeiros, é do apicultor, mas alguém tem que resolver porque o calor vai aumentar e elas po­dem atacar novamente”.

O relato de Maria Angélica­ Borges de Almeida, de 39, anos, ainda é de medo e de dor, depois que ela e a família foram ataca­das, no início desta semana, no Parque Burle, por um enxame de abelhas. Todos foram aten­didos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro e medicados com injeção, dipiro­na e corticóides. No entanto, o inchaço e a dor nos locais onde as abelhas picaram continuam e a vermelhidão também.

– Foi terrível correr, tentar se livrar e elas em cima. Só minha filha de 14 anos escapou porque meu filho mais velho a trancou dentro de casa – relembrou.

Além dela, dos dois filhos e do ex-marido, outras duas pes­soas foram picadas pelas abe­lhas. O ataque teria começado no cachorro do vizinho, e ao acudí-lo, os insetos partiram para cima do dono, que correu para a rua. As pessoas próximas também foram atingidas, quando o dono do animal entrou na loja de Maria Angélica para avisar do ataque.

De acordo com tenente-coro­nel Leonardo Couri, comandan­te do 18º Grupamento de Bom­beiros Militar (GBM), não há relação deste ataque com o ocor­rido há cerca de seis meses em Arraial do Cabo. Ele explicou ainda que a retirada da colmeia deve ser feita por um apicultor e que, em dois anos de atuação na Região dos Lagos, este é o primeiro chamado que recebe sobre abelhas.

Segundo o biólogo Eduardo Pimenta, a antecipação da flora­ção da primavera e o aumento de alimentos disponíveis pode ter acarretado uma divisão de enxa­me e a aproximação de uma pes­soa, ainda que para observação, pode ter levado ao ataque.

– Quando ferroam, as abelhas soltam o feromônio, que atrai as demais e o ataque se estabelece – explicou o biólogo.