Assine Já
terça, 24 de novembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
Luis Lindenberg

Luis Lindenberg segue sem previsão de volta

Reunião marcada entre direção da escola e secretária não aconteceu

12 setembro 2016 - 19h51Por Redação | Foto: Reprodução
Luis Lindenberg segue sem previsão de volta

Os alunos da Escola Municipal Luis Lindenberg permanecem sem aulas e sem previsão de retorno. A reunião entre a secretária Luana Ferreira e a direção do colégio estava marcada para a manhã de ontem, mas simplesmente não aconteceu – a titular da pasta não pôde comparecer. A unidade suspendeu as atividades por falta de condições básicas. A secretaria, no entanto, permanece aberta.


A escola tem em torno de 850 estudantes divididos entre as turmas de primeiro a nono ano. Pela falta de condições básicas como material, merenda e até mesmo falta de pagamento do vale-transporte, a unidade funcionava em horário reduzido: das 7h até 9h30 e 12h45 às 15h30. Outro ponto que prejudicou o expediente foi a demissão de 17 funcionários.


O aluno do nono ano, Douglas Henrique Hartmann, 15, estava inconformado com a falta de segurança e de aulas.


– A Luis Lindenberg foi furtada e também teve seus funcionários ameaçados de morte por traficantes. A falta de professores tem prejudicado bastante os alunos. Eu, por exemplo, só tive três aulas de Educação Física e quatro de Geografia o ano todo. Isso é o cúmulo do absurdo. É um desrespeito aos alunos e à própria Educação – reclama.


Além da Escola Luis Lindenberg, mais quatro colégios estão sem aulas: Américo Vespúcio, Edílson Duarte, Evaldo Sales e Rui Barbosa. As suspensões revoltaram os estudantes, que marcaram ato para a Praça Porto Rocha, no centro da cidade, hoje, às 14h. Os alunos protestam por melhores condições nos colégios da Rede Municipal e pedem a reabertura das escolas.
Douglas Henrique, que é membro da União Cabofriense dos Estudantes (UCE), lembra da ausência de necessidades básicas como alimentação e segurança.


– O protesto é pela falta de repasse de verbas de manutenção, pela demissão de vários funcionários importantes para o funcionamento das escola e pela falta de alimentos e de segurança nas escolas – afirma.


A Folha entrou em contato com a Prefeitura de Cabo Frio. Mais uma vez o jornal não obteve nenhuma resposta.