Assine Já
segunda, 30 de novembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
leonardo curi

Leonardo Curi:‘Tenho sangue de bombeiro’

Comandante do 18º GBM faz balanço do tempo à frente do quartel

12 janeiro 2016 - 09h24
Leonardo Curi:‘Tenho sangue de bombeiro’

Ele assumiu o comando do 18° GBM (Cabo Frio) há dois anos, mas desde criança frequenta um quartel – afinal, foi criado dentro de um, quando o pai comandou um grupamento no Rio de Janeiro. Além de filho de bombeiro, o tenente-coronel Leonardo Couri, 43, é irmão e primo de bombeiros. Em entrevista à Folha, o comandante que tem a profissão no sangue faz balanço sobre o tempo à frente do 18º e lamenta a morte de três turistas por afogamento.

Folha dos LagosHá quanto tempo é bombeiro?

Leonardo Couri – Tenho 24 anos de serviço. Meu primeiro quartel foi em Petrópolis, aos 19 anos. Trabalhei no Humaitá e na Defesa Civil de São Gonçalo. Passei quatro anos no Ministério Público, e depois fui para a Defesa Civil Estadual. Fiz mestrado em Defesa Civil e, antes de vir para cá, coordenei a emergência nuclear da Usina de Angra.

Folha Neste período à frente do quartel, quais são os desafios que enumeraria?

Couri – No 18º, além dos bombeiros, tem os guarda-vidas, então a gente pode dizer que são duas unidades em uma só, isso é um desafio grande. São cinco municípios, 350 homens e várias atribuições. Não tem um mês de descanso. Choveu, tem problema. Não choveu, tem fogo em vegetação. Se está sol, é acidente na praia. Sem contar que na baixa temporada nós temos nossas atividades internas: treinamento, capacitação... A gente não para.

FolhaO que acha mais bacana nessa sua trajetória?

Couri – O mais bacana é que já nasci assim, acho que posso dizer isso. Meu pai é bombeiro, meu irmão, o Santos Pinheiro que comandou aqui é meu primo. Tenho sangue de bombeiro. Considero bonito esse traço familiar, desde criança dentro de quartel, então você acaba sabendo o que acontece, sabendo como agir – isso me deixa orgulhoso.

FolhaQual o balanço que faria destes dois anos à frente do 18° GBM?

Couri – Acho que eu consegui fazer o que eu queria. Consegui reformar o quartel, que é um prédio histórico, com a ajuda da Prefeitura de Cabo Frio. Montamos nossa academia de ginástica. Montei um centro de operações novo, que não tinha. Fizemos diversas mudanças administrativas e no operacional. Criamos o quartel de Arraial, que ajudou muito na parte operacional. Fizemos um posto ecológico no Balneário. Já estou há dois anos, pode ser que eu fique mais ou não, mas o próximo que vier já vai receber o quartel organiza do. Meu lema é esse, não consigo trabalhar sem organização.

FolhaE o principal aprendizado que tira deste período?

Couri – Lidar com a tropa e o público. O quartel aqui tem imprensa toda hora, o que é diferente de comandar outro no Grande Rio, por exemplo...

 

*Leia a entrevista na íntegra na edição impressa da Folha dos Lagos desta terça-feira.