Assine Já
quinta, 21 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
LIXÕES REMEDIADOS

Lei estadual obriga a recuperação de áreas que foram usadas como aterros sanitários

Medida publicada nesta sexta (9) no Diário Oficial também exige tratamento de chorume

10 outubro 2020 - 20h07Por Redação

É obrigatória a remediação (anulação de efeitos nocivos) de aterros sanitários encerrados, além do controle, monitoramento e tratamento do chorume produzido em vazadouros e aterros controlados e sanitários. A determinação é da Lei 9.055/20, do deputado Carlos Minc (PSB), que foi sancionada pelo governador em exercício, Cláudio Castro, e publicada pelo Diário Oficial do Estado, nesta sexta-feira (9).

Medida objetiva a prevenção e a precaução, o desenvolvimento sustentável e a visão sistêmica na gestão dos resíduos sólidos e outros. Os municípios deverão informar as áreas utilizadas nos últimos 20 anos para o descarte dos resíduos, além de um projeto executivo para a remediação ambiental e os procedimentos de monitoramento e de controle. A lei proíbe que a diluição do chorume em águas seja utilizada como forma de tratamento, assim como destinação às estações para esgoto doméstico.

O Plano Nacional de Resídus Sólidos, de 2010, impôs prazo até 2014 para o fim dos lixões, mas houve prorrogação até 2024, de acordo com a população dos municípios.

VETOS

A lei foi sancionada pelo governador com vetos no Artigo 1°. O Parágrafo 1° definia que a obrigatoriedade da lei abrangesse pessoas físicas ou jurídicas, da esfera pública ou privada, responsáveis direta ou indiretamente por vazadouros encerrados ou pela geração de resíduos. Segundo o governador, o termo técnico “geração” foi empregado de maneira equivocada, uma vez que a geração de resíduos está no início da cadeia de gestão e os vazadouros e aterros estão no fim da cadeia. Já o Parágrafo 4° estabelecia que os transbordos deveriam ser licenciados por órgãos competentes do estado, mas segundo a Lei Complementar Federal n° 140, as atividades também podem ser licenciadas por órgãos municipais.

Também foram vetados os Incisos V e VII, que definiam termos para resíduos sólidos. Para o governador, a maneira como as definições foram colocadas podem gerar interpretações equivocadas na hora de aplicar a lei.

O Parágrafo 1° do Artigo 5°, o Artigo 6° e o Artigo 24 foram vetados por criarem competências e obrigações ao Poder Executivo Estadual e aos Poderes Executivos Municipais, infringindo o Princípio de Separação dos Poderes.

O Artigo 10 também foi vetado, pois a regra poderia conflitar com o Sistema de Licenciamento Ambiental Estadual ou com os licenciamentos municipais. O artigo dizia que os licenciamentos ambientais para a operação da ETC deveria ser conduzido no mesmo rito administrativo que autoriza a operação do aterro sanitário ou a remediação do vazadouro.

O governador em exercício também optou por vetar o parágrafo único do Artigo 14, que estabelecia o horário compreendido entre às 20 horas e às 7 horas do dia seguinte para o transporte de chorume nas vias estaduais. Isso poderia acarretar problemas operacionais em algum aterros, além de a distância entre as unidades geradoras de chorume e de tratamento não permitirem que os veículos de transporte abastecidos com chorume pernoitem, pela periculosidade dos resíduos.

O Artigo 19, que vedava ao órgão ambiental estadual competente a concessão ou a renovação de licença ambiental para a implantação de aterros sanitários ou aterros controlados sem a prévia apresentação de projeto técnico contendo um cronograma para a instalação de Estação de Tratamento de Chorume (ETC), foi vetado por conflitar com o Artigo 17 da norma.

Por fim, o Artigo 20 estabelecia que o Poder Executivo destinaria aos municípios recursos do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam) para a execução da lei, e foi vetado por contrastar com a autonomia do Poder Executivo de destinar seus recursos

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.