Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
teste

​Lei do “teste do coraçãozinho” já está em vigor em Cabo Frio

Projeto obriga redes pública e privada a oferecer exame que pode diagnosticar problemas cardíacos em recém-nascidos

08 junho 2016 - 10h07Por Redação
​Lei do “teste do coraçãozinho” já está em vigor em Cabo Frio

Um procedimento que pode salvar vidas. Desde fevereiro é obrigatória em Cabo Frio a realização da oximetria de pulso, exame preventivo para recém-nascidos conhecido como “teste do coraçãozinho”.

A Lei nº 2.729, que dispõe sobre a exigência do exame nas maternidades públicas e privadas do município, é de autoria do vereador Aquiles Barreto, do Solidariedade. Mesmo aprovado em 31 de janeiro de 2013 pela Câmara, a lei só foi promulgada no início deste ano.

Segundo a assessoria do parlamentar, o teste tem por objetivo detectar a cardiopatia congênita em bebês e, para isso, o exame deverá ser realizado nos membros superiores e inferiores dos recém-nascidos, ainda no berçário, após as primeiras 24 horas de vida da criança e antes da alta hospitalar.
Pela nova legislação, a prefeitura tem a possibilidade de fazer convênios para a realização de ecocardiograma caso sejam diagnosticados problemas cardíacos em recém-nascidos nas maternidades públicas municipais.

– A oximetria de pulso é um exame indolor, utilizado para medir níveis de oxigênio no sangue a fim de detectar a presença de cardiopatia congênita grave que, em geral, coloca em risco a vida da criança. Caso haja indícios, a investigação poderá ser aprofundada. Com a obrigatoriedade da realização do exame imposta pela lei queremos com isso minimizar os riscos de defeitos congênitos mais letais decorrentes da ausência de diagnóstico precoce – comentou o vereador.

O projeto que deu origem à lei foi elaborado em parceria com a Associação de Assistência à Criança Cardiopata – Pequenos Corações, entidade sem fins lucrativos de São Paulo e com coordenação na Região dos Lagos.

O exame não detecta isoladamente casos de cardiopatia congênita crítica, mas um resultado negativo não exclui a possibilidade de problemas de coração.

– A triagem é sempre muito importante, apesar de não ser comum crianças com problemas de coração – disse a pediatra Pryscilla Won Held.