Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Angelina Jolie

'Lei Angelina Jolie' é apresentada na Alerj

Projeto da deputada Márcia Jeovani oferece exames de predisposição ao câncer pelo SUS

15 abril 2015 - 12h21Por RODRIGO BRANCO
'Lei Angelina Jolie' é apresentada na Alerj

Ganhou repercussão mundial a notícia sobre a cirurgia preventiva feita pela atriz norte-americana Angelina Jolie, no mês passado, para retirada das trompas e dos ovários. Com histórico de câncer na família, a estrela de Hollywood já tinha se submetido a procedimento semelhante em 2013, nas mamas. Na Alerj, um projeto de lei inspirado nessa experiência, de autoria da deputada estadual Márcia Jeovani (PR), acaba de ser apresentado no plenário da Alerj e agora está na fila para entrar na pauta de votações.

Pela lei, os exames de detecção de mutação genética BRCA1 e BRCA2, importantes para a descoberta precoce de predisposição natural à doença, passariam a ser oferecidos gratuitamente pelo SUS. Na rede particular, cada um dos procedimentos custa em torno de R$ 3 mil. De posse do diagnóstico, cabe à paciente a decisão da retirada da mama ou do útero. Ao destacar o ‘caráter preventivo’ do projeto, Márcia Jeovani afirma que milhares de mulheres serão beneficiadas por ele. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa é de 75 mil mulheres com câncer de mama e 15 mil de colo do útero. Os dados são de 2014 e dos três primeiros meses deste ano. Na Região Sudeste, são 27 mil casos novos casos de câncer de mama por ano.

– Iniciamos as pesquisas e descobrimos que um hospital da Bahia e outro no interior de São Paulo ofereciam o serviço gratuito. Descobrimos também como é grande o número de mortalidade por essa doença e mais ainda na Região Sudeste. Então, me reuni com a minha equipe e elaboramos o projeto para beneficiar todos os municípios do Rio de Janeiro e espero que estimule outros estados – acredita.

 “Para o Estado é mais vantagem custear apenas o exame”

Danieli Nascimento, 35, conhece bem o drama de conviver próxima à doença. A auxiliar administrativo perdeu a mãe e uma tia e agora se vê novamente às voltas com o problema, pois uma prima será obrigada a fazer uma mastectomia (remoção completa da mama) esta semana.

Reconhecendo que tem grandes probabilidades de desenvolver um tumor, Danieli recorrerá a um empréstimo para fazer os exames em clínica particular, mas aguarda com ansiedade a assinatura do governador e a publicação da Lei no Diário Oficial.

– É uma forma de não passar por todo esse sofrimento. É muito doloroso para quem tem a doença e para toda a família. E para o próprio Estado é mais vantajoso custear o exame do que o tratamento completo que inclui a cirurgia para retirada do tumor, a quimioterapia, a radioterapia e a cirurgia plástica reparadora – avalia.