Assine Já
quinta, 09 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 270 654 41
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 2 517 19
Saquarema 7 528 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
Córrego Rico

Justiça recolhe documentos da Córrego Rico

Oficiais da 1ª Vara Cível de Cabo Frio recolhem documentos na prefeitura e na secretaria de Fazenda

19 maio 2016 - 16h20
Justiça recolhe documentos da Córrego Rico

Oficiais e vereador estiveram na sede da Fazenda municipal

O fim do expediente se aproximava na Prefeitura de Cabo Frio, na praça Tiradentes, quando a estranha movimentação no prédio chamou a atenção. Oficiais de justiça da 1ª Vara Cível da cidade estiveram ontem na sede do governo municipal e na secretaria de Fazenda para recolher documentos referentes aos contratos entre a prefeitura e a empresa Córrego Rico Transporte e Construção Ltda.

Autor de uma ação que exigia que toda a documentação fosse apresentada pelo prefeito Alair Corrêa (PP), o vereador líder de oposição Aquiles Barreto, do Solidariedade, acompanhou a ação. Ele afirma que a própria Justiça pediu sua presença na ação, mas disse que ainda não teve acesso ao conteúdo dos papéis.

– O oficial de justiça hoje (ontem) foi cumprir o seu mandado de busca e apreensão e pediu que eu como autor fosse verifibocar os contratos a serem mandados para a Justiça. Agora, vou ser comunicado para estar ter acesso aos documentos. A Justiça fez justiça e deu o meu direito de fiscalizar, mas ainda não tenho acesso aos documentos e não sei quais desdobramentos isso terá – comentou o vereador.

A relação entre a Prefeitura e a empresa, que aluga ao município veículos e máquinas, é alvo de polêmica pelo volume de recursos pagos à empresa – na casa das dezenas de milhões de reais, segundo o Portal da Transparência – em um cenário de crise financeira da cidade, atrasos no pagamento do funcionalismo e de outros prestadores de serviço e dificuldades na manutenção da cidade.

O parlamentar acionou judicialmente Alair em fevereiro, mas apesar da decisão do juiz Caio Romo, da 1ª Vara Cível, para que a papelada fosse apresentada, isso não aconteceu, mesmo sob pena de multa pessoal sobre o prefeito.

Atualizado em 20/05 às 10:59h.