Assine Já
quinta, 21 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
OPERANDO NOVAMENTE

Justiça determina que Porto do Forno volte a ser alfandegado

Decisão dispensa necessidade de terminal portuário de Arraial comprar 'scanner' para vistoriar contêiner

26 maio 2020 - 18h29Por Rodrigo Branco

Uma decisão da 1ª Vara Federal de São Pedro da Aldeia acaba de devolver o alfandegamento do Porto do Forno, em Arraial do Cabo, depois de um ano e meio. A ação foi movida pela Companhia Municipal de Administração Portuária (Comap) contra a União.

A decisão do juiz Thiago Gonçalves de Lamare dispensou a Comap de comprar um ‘scanner’, equipamento semelhante a um ‘raio-X’, usado para verificar o conteúdo dos contêineres. A exigência era a principal dificuldade para que o terminal voltasse a ser alfandegado, por conta do custo da máquina, de milhões de reais.

A exigência do equipamento está na Portaria nº 3518/2011, da Receita Federal, mas o município alegou que o terminal não recebe contêineres, e sim, opera com carga a granel, como cevada e malte. A decisão judicial não retira as demais exigências da Receita para o alfandegamento.

À Folha, o prefeito Renatinho Vianna (Republicanos) comemorou a decisão, em meio a um momento de dificuldade econômica, por causa da pandemia de Covid-19.

– Agora é gerar emprego, gerar renda, fazer a coisa movimentar. A gente já tinha travado uma luta antes, o porto ficou embargado pela questão ambiental e agora vamos em frente. Na verdade, eles plantaram essa dificuldade para o Porto não conseguir avançar, porque era um investimento de milhões. Nosso terminal não opera contêiner e não precisa de scanner. Essa foi a nossa tese e o entendimento da Justiça – disse o prefeito.

O período entre novembro de 2018 e maio de 2020 foi o segundo em que Porto do Forno perdeu o alfandegamento. Também por causa de pendências junto à Receita Federal, o terminal ficou na mesma situação entre dezembro de 2015 e setembro de 2016, na gestão do então prefeito Andinho.

Também em 2018, o porto chegou a ser embargado pelo Ibama, pelo não cumprimento de condicionantes ambientais. Um pool de empresas, com apoio da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) assumiu parte dos custos, e o embargo foi retirado pelo órgão ambiental federal em abril de 2019. O Porto pertence à União, mas tem a gestão municipalizada desde 1999.

A Advocacia-Geral da União (AGU) e a Receita Federal afirmaram que não foram notificadas da decisão judicial.

 

 

 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.