Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
janio mendes

Janio atribui votação decepcionante à ‘rejeição a políticos convencionais’

"Resultado foi um puxão de orelha", reconhece ele

04 outubro 2016 - 09h15Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Janio atribui votação decepcionante à ‘rejeição a políticos convencionais’

Principal adversário de Alair Corrêa (PP) há quatro anos, Janio Mendes (PDT) trazia consigo a expectativa de repetir a votação expressiva que teve à época – cerca de 40 mil – e enfim realizar o sonho de ser prefeito. No entanto, a eleição virou pesadelo para o pedetista, que acabou em terceiro, com 18.851 votos. Agora, diz ele, é hora de refletir. “O resultado foi um puxão de orelha”, admite, um dia depois da derrota.

Folha dos Lagos – Como você avalia o resultado das urnas?

Janio Mendes – Fica o recado que cada um de nós da classe política temos que fazer uma análise profunda. A esmagadora maioria de votos nulos, mais a abstenção mostra que o povo quer que o político reflita mais e se aproxime cada vez do pensamento popular nesse momento é de indignação e de indiferença com a classe política. Fica a lição. Cabe-me rever ações, ver onde a gente errou e buscar uma aproximação com a população. Essa é a razão da classe política existir, o povo. Pegar o resultado da urna e intensificar o trabalho, trabalhar mais.

Folha – Como você avalia o seu próprio resultado? Você se surpreendeu? Qual a autocrítica?

Janio – Esse sentimento de mudança que esta aí pairando na política nacional ao longo das últimas eleições. O efeito que já veio da eleição presidencial, com a ascensão repentina da Marina Silva e que agora se repete nas eleições municipais. É o povo buscando novos caminhos, novas alternativas políticas mostra sua indignação com o modelo reinante.

Folha – Você faria alguma coisa diferente na campanha?

Janio – É preciso avaliar cada passo e com o correr do tempo, vamos ter tempo para isso, rever aquilo o que a gente fez e não agradou a população. Ter a humildade de admitir que errou e aprender com os próprios erros.

Folha – Como é o futuro político do Janio agora?

Janio – É viver o momento, é trabalhar intensamente o mandato. Ajudar a cidade, ajudar a região. É esse o objetivo. O que vai acontecer para frente é o processo que vai dizer.

Folha – Marquinho venceu na urna, mas ainda está com a situação indefinida na Justiça. Em caso de uma nova eleição, conforme prevê a lei, você será novamente candidato?

Janio – Essa é uma decisão que a gente precisa tomar com o mundo político, com a família. É algo que precisa ser aberto com a sociedade. É preciso entender o que a sociedade quer nesse momento. O fundamental disso é que essa decisão deve ser a mais rápida possível porque a cidade não suporta mais essa história da eleição não acabar no dia 2. A gente precisa por um ponto final nisso, que a Justiça decida se o Marquinho vai assumir ou se vai ter nova eleição. É preciso que a cidade tenha uma normalidade, que tenha um tempo de paz. Eu quero contribuir para esse tempo de paz.

Folha – Sua coligação vai continuar batendo na tecla da impugnação na Justiça?

Janio – A ação foi feita, a Justiça decidiu e cabe a ela decidir.

Folha – Você e seu grupo serão opositores de Marquinho?

Janio – Nós somos oposição ao governo, não a uma cidade. Isso precisa ficar claro. O governo precisa ser fiscalizado e controlado pela sociedade. Muitas das mazelas que vivemos hoje é pela falta de controle da sociedade e pela falta de oposição na Câmara Municipal. Então a bancada do PDT vai atuar nessa direção.

Folha – Na internet, muitos falam que esse resultado é um sepultamento do seu sonho de ser prefeito? O que acha disso?

Janio – É só um adiamento. Como disse, é um momento político em que as pessoas estão revoltadas com os políticos convencionais. Como Tancredo Neves dizia, a política é igual a uma nuvem. Uma hora está de um jeito, outra hora está de outro. Tenho que refletir as alianças que fiz. O momento político é entender esse resultado como um puxão de orelha que recebi para repaginar as minhas ações. Não sou o primeiro nem serei o último a passar por esse momento. Tenho que encarar e conversar com o eleitor para corresponder as expectativas da próxima vez.

Folha – A avaliação nas redes sociais é de que você passou uma imagem de arrogância. O que diz sobre isso?

Janio – Com certeza. O povo é autoridade máxima do processo. É válido e vou refletir minhas condutas públicas e políticas. Só não tenho reflexão a fazer da minha vida pessoal e particular. Até porque minha votação não foi um desastre, embora o resultado tenha frustrado as expectativas, inclusive as minhas. O povo quis a novidade e a novidade era o Adriano. A população rejeitou os políticos de um modo geral. Os votos nulos e as abstenções ganharam a eleição, foram mais de 51 mil. Paulo César passou de deputado federal para 13 mil votos. Leitão teve 5 mil votos na última eleição e caiu para 2 mil. O próprio Marquinho se elegeu da última vez com 47 mil votos e agora teve 44 mil. O eleitorado cresceu e a votação diminuiu. Não foi só o Janio, é preciso fazer uma análise política de conjunto. Nós políticos fomos rejeitados. Houve uma onda de indignação que contribui para vida pública.

Folha – Após a eleição, Marquinho disse que seus êxitos eleitorais foram por causa dele. O que diz sobre isso?

Janio – Fui eleito vereador quatro vezes, deputado estadual duas vezes sem o apoio dele. Em nenhuma das eleições para deputado ele me apoiou. Não vejo onde tenha contribuído para minhas eleições. Na primeira, ele apoiou Paulo Melo e na última, Aquiles Barreto. A vez que em que me apoiou, eu perdi para Alair. Pelo contrário, em 2014, eu ganhei e Aquiles ficou na primeira suplência.

(*) Atualizado em 04/10 às 10:54h.