Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
inverno

Inverno aumenta temor por ataque de morcegos

Autoridades dizem que casos são raros e concentrados na zona rural

13 julho 2017 - 10h41
Inverno aumenta temor por ataque de morcegos

Com a chegada do inverno, aumenta a preocupação dos cabofrienses com a incidência de morcegos na cidade. Isso porque as temperaturas mais baixas levam os animais, únicos mamíferos voadores da natureza, a buscarem abrigo nas copas de árvores e nos forros e sótãos de casas e apartamentos.

No entanto, tanto a secretaria de Meio Ambiente como a Vigilância Sanitária trataram de tranquilizar os moradores da cidade, uma vez que os ataques dos morcegos hematófagos – que alimentam-se de sangue e podem transmitir a raiva – são considerados muitos raros. Em Cabo Frio, por exemplo, não há registros desse tipo. No Estado, o última ocorrência é de 1990.

– Esse é o caso mais preocupante porque pode trazer doenças, inclusive a raiva. Nessa época, isso torna-se mais severo, mas a incidência é maior na Zona Rural. Mas em se ele estiver em lugares como cavernas ou sótãos, ele pode atacar a população – comenta o secretário de Meio Ambiente, Eduardo Pimenta.

Mais comuns nos centros urbanos são os animais do tipo frugíveros, que alimentam-se basicamente de frutas. Com a grande quantidade de amendoeiras plantadas pela cidade, não são poucas as vezes que pedestres presenciam alguns voos rasantes. De acordo com o coordenador da Vigilância Ambiental e Sanitária Municipal, Paulo Campos, o principal trabalho feito é de orientação, uma vez que a captura da espécie é proibida por lei.

– Não há controle, a gente apenas instrui. Uma equipe ensina como afugentar e no processo de colocação de tela de proteção. Mas temos zero de problema. Se alguém se sentir ameaçado é só nos chamar que deslocamos alguém para orientar – argumenta Campos.

Controle de pragas – No fim de junho, a prefeitura realizou um treinamento contra pragas urbanas para 34 agentes. O treinamento foi teóricos e práticos sobre combate e controle de vetores. Os agentes foram treinados também a conscientizarem toda a população. 

– A maioria das pessoas não tem o conhecimento que vetores não são apenas mosquitos. Qualquer bicho que pode trazer doenças é um vetor – explicou Andreia Nogueira, da Coordenadoria de Vigilância Ambiental e Sanitária.