Assine Já
sexta, 27 de novembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
invasões

Invasões avançam nos distritos de Arraial do Cabo

Moradores do bairro Novo Arraial denunciam a ação de grileiros na localidade

10 dezembro 2016 - 19h22Por Redação | Foto do leitor
Invasões avançam nos distritos de Arraial do Cabo

Moradores do Novo Arraial derrubaram mourões de madeira colocados pelos posseiros 

Durante o período de transição de governo em Arraial do Cabo, um problema cada vez mais comum dá as caras no município: a invasão de áreas de proteção ambiental para venda ilegal de terrenos para particulares. A prática é bastante corriqueira, sobretudo na região dos distritos de Monte Alto e Figueira, incrustrados no Parque Estadual Costa do Sol ou na Área de Proteção Ambiental (APA) da Massambaba. Bairros como o Parque das Garças e das Gaivotas, o Sabiá, o Caiçara e até mesmo a Prainha, este já no perímetro urbano da cidade, sofrem com a ação dos grileiros.

Nesta semana, o alvo da ação ilegal dos posseiros foi o bairro Novo Arraial do Cabo, que fica a 3 Km do centro de Figueira. Na última quinta (8), um grupo foi flagrado cercando de mourões de madeira uma propriedade pública que, segundo consta no mapa da localidade, está destinada à futura construção de uma praça.

O caso não passou em branco. Revoltado, um grupo de moradores foi ao local e impediu o avanço do trabalho arrancando as madeiras que cercavam a área pública. No entanto, na noite seguinte, o terreno foi novamente segregado pelos posseiros. Mais um vez, contudo, os moradores retiraram os obstáculos e, agora, ameaçam atear fogo ao material. O episódio chama a atenção pela ousadia, uma vez que a área em questão fica praticamente às margens de uma rodovia estadual, a RJ-102; a poucos minutos da praia e da Lagoa de Araruama, e trata-se de um local bastante valorizado. No entanto, moradores e comerciantes já temem que a ação predatória diminua o preço de mercado dos terrenos que, em alguns casos, já beira os R$ 80 mil.

− Estão invadindo para favelizar o local e o que a gente comprou com muito sacrifício vai desvalorizar completamente. Debocharam de mim e disseram que se a gente não cuida dos terrenos, eles (invasores) vão cuidar. Mas não vão não. A gente pagou por isso aqui, não invadimos não, meu terreno é todo legalizado − afirma a comerciante Eliana Soares.

A promessa é de resistência. Os moradores já começaram a se organizar e acionar as autoridades. Uma queixa foi feita à Prefeitura e um boletim de ocorrência será registrado na delegacia. O comandante do 25° Batalhão da PM, tenente-coronel André Henrique de Oliveira, afirmou que a polícia está atenta ao problema e garantiu que haverá repressão toda vez que uma equipe for acionada.

De acordo com o chefe do Parque Estadual da Costa do Sol, André Cavalcanti, o problema das invasões em toda a região deve ser enfrentado por uma força-tarefa institucional. Ele propôs um encontro para resolver o assunto.

− O ideal é marcarmos uma reunião entre a APA, o Parque, o município e a Polícia Ambiental para a gente pensar na estratégia porque senão ficamos enxugando gelo e as coisas não acontecem efetivamente − disse Cavalcanti.

No caso específico do Novo Arraial, muitas áreas de vegetação de restinga também já foram invadidas e hoje possuem construções ilegais. Em Monte Alto, as casas erguidas já avançam pela faixa de areia.

Até o fechamento desta matéria, a reportagem não conseguiu entrar em contato com os representantes da Prefeitura de Arraial do Cabo.