Assine Já
sexta, 27 de novembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
assaltos taxistas

Insegurança: uma passageira perigosa

Taxistas de Cabo Frio pedem instalação de câmeras nos pontos de taxi

19 maio 2015 - 09h30

A principal passageira nos táxis de Cabo Frio, hoje, é a insegurança. Os taxistas da cidade desligaram a bandeira dois e ligaram a vermelha para esse problema, que, segundo eles, já começa nos próprios pontos. Para ajudar a amenizar o problema – já que resolver não dá – eles pedem instalação de câmeras nos pontos e mais atenção da Polícia Militar e da Guarda Municipal.

A Folha foi aos pontos da Praça Porto Rocha e do Largo Santo Antônio – ambos no Centro – para ouvir os profissionais. A falta de monitoramento nos pontos de táxi é um dos fatores que mais preocupam os motoristas. Para eles, um breve registro do passageiro, ao embarcar, ajudaria a evitar futuros problemas para outros colegas de profissão.

De acordo com Paulo Melo, 27, taxista há 7 anos, essa seria uma das possíveis soluções.

– Não acho que o problema seja só em Cabo Frio. A segurança pública do país que não é a ideal. O número de assaltos aumentou bastante e isso vem me preocupando. Precisamos de monitoramento, de uma câmera nos pontos para identificar os passageiros que pegamos – diz.

Assaltado duas vezes, o taxista Antônio Vicente, 53, contou que não há como identificar os assaltantes. Assim como a maioria dos outros motoristas entrevistados pela Folha, ele não trabalha à noite para evitar que essa situação volte a acontecer.

– Peguei o rapaz aqui no centro de Cabo Frio. Na metade do caminho, próximo a São Pedro da Aldeia, ele anunciou o assalto. Ele estava arrumado e não desconfiei. Perdi o celular, relógio e dinheiro – apontou.

Milton de Souza, 79, taxista há mais de meia século, acredita que responsabilizar a polícia pelo aumento no número de assaltos aos taxistas não é o melhor caminho.

– Eu trabalho durante o dia e o meu neto durante a noite. Consigo me sentir seguro no meu horário de trabalho, mas sei que os colegas que trabalham à noite acabam passando por problemas. Entretanto, não acho que seja culpa da polícia. Eles simplesmente não podem estar em todos os lugares ao mesmo tempo. É inevitável que algo acabe acontecendo.

Mais rigor – Uma fiscalização mais ampla e eficiente da polícia nos táxis com passageiros dentro foi apontada como um dos modos de reduzir o risco dos motoristas. Segundo eles, abordar os táxis e verificar a documentação de quem está dentro iria aumentar a segurança.

– Todos nós [taxistas] estamos muito preocupados. A estratégia acaba sendo sempre a mesma: pegam o táxi e pedem para ir para determinado bairro, no meio do caminho anunciam o assalto e não temos o que fazer. Se a polícia nos parasse, mesmo com passageiros dentro, e verificasse a situação deles, além da documentação do carro, já seria de grande ajuda.