Assine Já
terça, 02 de março de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26824 Óbitos: 919
Confirmados Óbitos
Araruama 6793 183
Armação dos Búzios 3201 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7434 352
Iguaba Grande 2529 55
São Pedro da Aldeia 3551 126
Saquarema 2451 133
Últimas notícias sobre a COVID-19
Enem

Inscrições para o Enem vão até a próxima sexta (20)

Folha ouviu dicas de especialista para os candidatos se darem bem no exame

13 maio 2016 - 12h14Por Gabriel Tinoco
Inscrições para o Enem vão até a próxima sexta (20)

Para o professor Fábio Cardoso, é importante respeitar o biorritmo do aluno e equilibrar quantidade de estudo necessária (Arquivo Pessoal)

Quem corria contra o tempo para se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) agora tem que se apressar para não levar bomba na prova e garantir a passagem às universidades brasileiras. As inscrições foram abertas na última segunda-feira (9) e serão prorrogadas até o próximo dia 20. A Folha dos Lagos pediu algumas dicas a um especialista no assunto, o professor de Língua Portuguesa Fábio André Cardoso, ex-membro do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Folha dos Lagos – Como encarar a prova com resistência?

Fábio Cardoso – Sempre falo que o candidato mantenha uma rotina tranquila ao longo da semana, sem maiores desgates, excessos, baladas, noitadas... Isso não pode acontecer apenas na véspera. O candidato tem que estar atento às questões fundamentais para o rendimento dele.

Folha – Há uma carga horária de estudos ideal?

Fábio – Cada aluno possui um biorritmo e não podemos atropelá-lo. Há quem goste de estudar pela manhã. Também há quem prefira pelo turno da noite. O que oriento é que ele precisa equilibrar a quantidade necessária de conteúdos. É necessário entender bem isso. Não vou dizer: há uma carga horária de oito horas para a prova. É a carga em que o candidato vá se adaptar melhor. Obviamente, ele não poderá estudar apenas uma hora por dia, porque aí não dá para dar conta. É preciso estudar o suficiente para que consiga um bom rendimento.

Folha – Qual a dica para que alunos não sejam pegos de surpresa com o tema da redação?

Fábio – A dica maior é fugir do senso comum. Não adianta dizer aquilo que todo mundo pode dizer, não faz diferença. Independente do tema, o candidato deve pensar em aspectos aos quais nenhum ou mesmo poucos candidatos possam abordar. Se o tema for meio ambiente, o aluno não poderá falar que o Brasil não tem terremotos, tsunamis, ou que isso existe no Japão... Não pode chover no molhado. A recomendação é fugir do senso comum, que é o que mais vemos nas últimas provas do Enem. Os alunos não exploram a redação para dar bons argumentos. Pensam apenas em falar o que todos já vão dizer. O aluno deverá estar informado, antenado nas notícias dos jornais, telejornais e revistas. Normalmente, a banca seleciona temas discutidos pela mídia.

Folha – E o que é preciso para não perder pontos na parte técnica da redação?

Fábio – Na técnica, o que deve ser levado em conta é organização dos parágrafos. Isto é, a estrutura do texto dissertativo: introdução, bom desenvolvimento e a conclusão como proposta de intervenção. Também é preciso seguir a norma culta. Os três problemas mais encontrados em redações são pontuação, acentuação e concordância.

Folha – Qual o papel da família nos estudos?

Fábio – A família precisa estar atenta às responsabilidades sobre os estudos do aluno e auxílio do aluno no controle dos horários de lazer. Não deve permitir de forma alguma que aconteça aquele típico corre-corre de ultima hora para ficar estudando.

Folha – Alimentação pode alterar o desempenho do aluno?

Fábio – A alimentação tem que ser controlada, sem excessos. É aquela história: o aluno que não tem uma boa alimentação poderá sentir desconfortos. E isso não colabora para que o aluno se concentre. É necessária uma alimentação básica ao longo da semana que antecede para que o candidato esteja 100% na hora do exame.