Assine Já
domingo, 17 de outubro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
EM CARAPEBUS

Inea fecha comportas de lagoa de onde sai vegetação para praias da Região dos Lagos

Abertura indevida causa dano ambiental desde a semana passada; PF investiga o caso

22 dezembro 2019 - 14h22Por Redação I Colaboração dos Amigos do Peró


Agentes do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) se anteciparam às autoridades federais e fecharam, no fim da manhã de domingo (22), as barras das Lagoas de Carapebus e do Paulista, no Norte Fluminense, ambas dentro do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba (PNRJ).

A abertura indevida das lagoas, sem os cuidados técnicos, provocaram um grande desastre ambiental que prejudicou não somente o ecossistema das lagoas como também levaram toneladas de gigogas para as praias da Região dos Lagos na véspera do início da alta temporada de verão, no dia 26.


Segundo o diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas (DIBAB) do INEA, Marcelo Morel, em quatro dias todas as ligações das lagoas com o mar estarão fechadas, mas já foi feita a contenção de gigogas. A Prefeitura de Carapebus, com ajuda de moradores, usou tratores para abrir as barras das lagoas numa extensão aproximada de 300 metros cada uma. A ação foi feita dia 14, sem a técnica necessária, após as chuvas dos dias 12 e 13 de dezembro, que inundaram vários bairros de Carapebus.


-- Achamos os criminosos. Estamos atuando no ponto zero da calamidade. Montamos um posto de vigilância com a polícia ambiental para impedir outras ações criminosas no local --  disse Morel.


Ainda segundo o diretor do DIBAB, o Inea está atuando em Carapebus desde a tarde de sábado e estão chegando reforços do Rio nesta segunda-feira.


-- Agora cabe às Prefeituras coletar as gigogas que estão nas praias. A previsão é que as correntes continuem levando a vegetação para as praias da Região dos Lagos nos próximos três dias, pois ainda existe muitas gigogas flutuando no mar.


A Polícia Federal e o Ministério Público Federal ainda não anunciaram as providências que estão tomando para responsabilizar os autores do crime ambiental. O Inea, contudo, segundo Morel, vai agir.


-- Terá sanções para todos. Foi uma sucessão de erros que somaram na tempestade de verão. Inclusive com situações já consolidadas em infrações – explicou Morel, acrescentando que ficará a critério do MPF a suposta responsabilização da Prefeitura de Carapebus e do ICMBio, gestor do Parque de Jurubatiba.


Na Praia do Peró, em Cabo Frio, equipes da Comsercaf trabalharam até às 3h de domingo para limpar o trecho certificado com a Bandeira Azul. A limpeza foi feita, mas as gigogas não pararam de chegar no fim da manhã e ao longo do dia, principalmente na área do Parque Estadual da Costa do Sol (Praia das Conchas).


-- Estamos conseguindo avançar na limpeza, mas a vegetação não pára de encostar na areia – disse o responsável pela operação, Homero Silva.


O movimento Amigos do Peró pediu ao MPF apuração rigorosa do crime ambiental, mas somente após o recesso de fim de ano (que termina dia 7) o procurador de Macaé irá se pronunciar. Pediu também ajuda ao governador Wilson Witzel para ajudar as prefeituras a limpar as praias antes da chegada dos turistas após o Natal.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.