Assine Já
domingo, 28 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26413 Óbitos: 912
Confirmados Óbitos
Araruama 6711 182
Armação dos Búzios 3191 32
Arraial do Cabo 855 37
Cabo Frio 7283 352
Iguaba Grande 2510 55
São Pedro da Aldeia 3488 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
servidores

Indignados com novos atrasos, funcionários protestam no HCE

Apesar da manifestação, hospital manteve o atendimento

22 janeiro 2016 - 11h30
Indignados com novos atrasos, funcionários protestam no HCE

No mesmo instante em que os profissionais da Educação protestavam em frente à Prefeitura de Cabo Frio, os servidores da Saúde batiam à porta do Hospital Central de Emergência (HCE), em São Cristóvão, na manhã de ontem, pelos mesmos motivos: o pagamento de dezembro e o 13º.
Cerca de 30 funcionários – entre enfermeiros, técnicos de enfermagem e funcionários do setor administrativo – fizeram as cobranças dos pagamentos atrasados, além de benefícios que foram retirados pelo poder público, como adicional noturno e insalubridade.

O tom da revolta tomava conta do protesto, e a sensação dos manifestantes passava longe do otimismo. A técnica de enfermagem Renata Soares definiu o momento como “bola de neve”.
– Não recebemos 13º, salário e alguns estão sem o triênio. Os concursados tiveram seus benefícios retirados. Essa situação virou uma bola de neve – disse.

A servidora Andreia Jandira, que está há três anos na Prefeitura e é técnica de enfermagem no Hospital da Mulher, exibia o Verãoextrato bancário zerado.

– É uma falta de respeito o que estão fazendo com a gente. Quando trabalhamos, esperamos, no mínimo, receber. É vergonhoso e humilhante.

Para a também técnica de enfermagem, mas do Hospital São José Operário, em São Cristóvão, Zenilda Dias, os trabalhadores vivem uma situação cada vez mais difícil.

– Estamos nos manifestando porque não saiu o pagamento. Hoje, ele (Alair) disse que iria colocar o salário na conta. Colocou, mas faltando uma parte. Os contratados estão com o salário três meses atrasado. Não temos crédito na cidade. Como compraremos alguma coisa? E quem paga aluguel? É uma situação muito difícil – reclama.

Na próxima segunda, às 9h, a categoria fará assembleia, em frente ao hospital, para definir os rumos do movimento – se decretará greve ou não. Apesar da manifestação, os atendimentos não foram paralisados.
A Folha dos Lagos entrou em contato com o secretário de Comunicação, Sergio Santa Roza, que afirmou que o salário sairia conforme o depósito de algumas verbas federais e estaduais