Assine Já
sexta, 10 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 320 Confirmados: 3310 Óbitos: 194
Suspeitos: 320 Confirmados: 3310 Óbitos: 194
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 528 19
Saquarema 23 541 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
servidores

Indignados com novos atrasos, funcionários protestam no HCE

Apesar da manifestação, hospital manteve o atendimento

22 janeiro 2016 - 11h30
Indignados com novos atrasos, funcionários protestam no HCE

No mesmo instante em que os profissionais da Educação protestavam em frente à Prefeitura de Cabo Frio, os servidores da Saúde batiam à porta do Hospital Central de Emergência (HCE), em São Cristóvão, na manhã de ontem, pelos mesmos motivos: o pagamento de dezembro e o 13º.
Cerca de 30 funcionários – entre enfermeiros, técnicos de enfermagem e funcionários do setor administrativo – fizeram as cobranças dos pagamentos atrasados, além de benefícios que foram retirados pelo poder público, como adicional noturno e insalubridade.

O tom da revolta tomava conta do protesto, e a sensação dos manifestantes passava longe do otimismo. A técnica de enfermagem Renata Soares definiu o momento como “bola de neve”.
– Não recebemos 13º, salário e alguns estão sem o triênio. Os concursados tiveram seus benefícios retirados. Essa situação virou uma bola de neve – disse.

A servidora Andreia Jandira, que está há três anos na Prefeitura e é técnica de enfermagem no Hospital da Mulher, exibia o Verãoextrato bancário zerado.

– É uma falta de respeito o que estão fazendo com a gente. Quando trabalhamos, esperamos, no mínimo, receber. É vergonhoso e humilhante.

Para a também técnica de enfermagem, mas do Hospital São José Operário, em São Cristóvão, Zenilda Dias, os trabalhadores vivem uma situação cada vez mais difícil.

– Estamos nos manifestando porque não saiu o pagamento. Hoje, ele (Alair) disse que iria colocar o salário na conta. Colocou, mas faltando uma parte. Os contratados estão com o salário três meses atrasado. Não temos crédito na cidade. Como compraremos alguma coisa? E quem paga aluguel? É uma situação muito difícil – reclama.

Na próxima segunda, às 9h, a categoria fará assembleia, em frente ao hospital, para definir os rumos do movimento – se decretará greve ou não. Apesar da manifestação, os atendimentos não foram paralisados.
A Folha dos Lagos entrou em contato com o secretário de Comunicação, Sergio Santa Roza, que afirmou que o salário sairia conforme o depósito de algumas verbas federais e estaduais