Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8330 Óbitos: 430
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 491 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1341 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Incentivos fiscais e energia eólica e solar em Cabo Frio aguardam tramitação

Projeto de energia recebeu parecer favorável, mas agora está parado

07 outubro 2015 - 09h45Por Nicia Carvalho

Em tempos da propalada cri­se, que inflige arrochos espe­cialmente no trabalhador em ge­ral, a saída pode estar dentro de casa. Um exemplo é o Projeto de Lei (PL) 139/2015, que pre­vê incentivos fiscais a empresas para geração de emprego e ren­da em Cabo Frio, do vereador Luis Geraldo, e o PL 171, tam­bém de estímulo para instalação em Cabo Frio de indústrias de energia solar e eólica, do vereador Adriano Moreno (Rede).

Porém, ambos aguardam tramitação: o primeiro ainda aguarda parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e chegou a ser alvo de apelo na tribuna da Câmara, por parte do vereador autor, para que os co­legas se empenhassem para que a proposta tivesse êxito junto ao prefeito Alair Corrêa (PP).

– Malhamos em ferro frio já que propostas e mais propostas são colocadas (em pauta) e nada acontece. Existem cidades que nunca receberam compensações e prosperam com união de esforços. Não quero buscar culpados, quero solução – afirmou Luis Geraldo, na ocasião.

O projeto de energia, por sua vez, que recebeu parecer favo­rável da Comissão de Redação Final da Câmara em 30 de julho, ainda aguarda sanção do prefei­to, que por regra do Regimento Interno da Casa, tem prazo de 15 dias para transformá-lo em lei. A proposta, inclusive, foi apresen­tada pela primeira vez em 2013.

– Se tivesse sido feito quan­do apresentei não teríamos os problemas atuais, inclusive a prefeitura não teria sofrido com corte de luz. É importante im­plantar este projeto o mais ra­pidamente devido à forte crise nacional – reforçou na ocasião Adriano Moreno.