Assine Já
domingo, 28 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26413 Óbitos: 912
Confirmados Óbitos
Araruama 6711 182
Armação dos Búzios 3191 32
Arraial do Cabo 855 37
Cabo Frio 7283 352
Iguaba Grande 2510 55
São Pedro da Aldeia 3488 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Impasse na negociação deixa ano letivo em risco

Sem avanço de proposta do governo, Educação decide manter greve por tempo indeterminado 

11 outubro 2019 - 20h34

O impasse nas negociações entre o governo municipal de Cabo Frio e os servidores da Educação torna a atual greve de mais difícil solução do que as últimas paralisações da categoria. Na noite de anteontem, uma assembleia definiu que os profissionais vão manter os braços cruzados por tempo indeterminado, logo após uma audiência na prefeitura resultar em quase nenhum avanço na longa pauta de reivindicações. 

Entre os pontos principais de discordância está a reposição das aulas não dadas durante as greves dos meses anteriores. Enquanto a Secretaria de Educação insiste na reposição presencial de aulas, os professores acenam com a realização de plano de estudo, para que os estudantes recuperem o conteúdo. A falta de acordo coloca o encerramento do ano letivo em risco em várias unidades. 

O atraso no pagamento dos contratados da Educação, depois dos efetivos, que estava previsto para esta semana, ficou para o dia 16. Isso se houver dinheiro, segundo a Secretaria de Fazenda.

– O que deixou muito todo mundo indignado foi que o pagamento dos contratados, além de o governo descumprir o calendário, não deu certeza que vai pagar. Falou em pagar no dia 16, mas está condicionado a ter receitas. Não foi uma coisa que falou com certeza. Com isso, estamos correndo escolas e percebendo que companheiros que até então não estavam aderindo à greve, resolveram aderir diante dessa incerteza do governo em relação ao pagamento. Não tem como sair de casa, não recebe menos 50% do que recebe um efetivo, não tem vale transporte, sem pagamento nem previsão é quase impossível que esse profissional continue trabalhando normalmente – disse a coordenador-geral do sindicato (Sepe Lagos), Cíntia Machado.
Segundo o Sepe Lagos, dos quinze itens da pauta, apenas três foram resolvidos: a garantia da chamada e posse dos aprovados no concurso de 2009, a regularização da recarga do vale-transporte e a nomeação dos membros do Sepe no Conselho Municipal de Política de Administração e Remuneração de Pessoal (Comparp).

Um ato público está marcado para o Largo Santo Antônio, na quarta-feira, pela manhã. No mesmo dia, uma assembleia será realizada para avaliar o movimento da categoria. 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.