Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ibascaf nega desvio de dinheiro

Ibascaf nega desvio de dinheiro

Em longa nota, diretoria aponta “distorções” de relatório da AFM

20 fevereiro 2016 - 10h48

O Instituto de Benefícios e Assistência aos Servidores Municipais de Cabo Frio (Ibascaf) emitiu nota, na manhã de ontem, contestando as informações do relatório da Associação dos Fiscais Municipais. O documento produzido pela AFM aponta desvios de recursos no fundo previdenciário municipal, mas o Ibascaf afirma que todo o relatório é baseado em dados “distorcidos”. Seguem os principais trechos da nota:

“O relatório apresentado pela Associação dos Fiscais Municipais apresenta as seguintes distorções: a signatária utiliza um referencial de 6% sobre a receita do Ibascaf, mas cumpre esclarecer que o valor de R$ 21,9 milhões registrado na LOA refere apenas a previsão de arrecadação para o Exercício. O referencial utilizado (6%) é aleatório, de vez que as receitas do Fundo de Participação Capitalizado são constituídas conforme o Capítulo IV da Lei 2.352/2011, que estabelece em seu Artigo 12: a contribuição para o regime de previdência social dos servidores, representado pelo Ibascaf, deverá obedecer à alíquota de 11%. Não há que considerar o referencial de 6%.

No quadro comparativo, o autor toma por base um valor de R$ 2.976.493,85, consignado como “apurado pelo estudo”. Faz-se necessário que o autor esclareça onde encontrou o registro deste valor, pois o saldo na conta do Ibascaf (FPC), mantida na agência São Cristovão do Banco do Brasil era de R$ 821.348,40, em 31/12/2012. Assim, a diferença de R$ 2.155.145,45 entre o valor apurado pelo estudo e o valor real existente na conta do FPC já invalida todas as projeções do relatório, uma vez que a acumulação de rendimentos nos exercício de 2013, 2014 e 2015 sobre o valor desta diferença já ultrapassaria a defasagem reclamada no estudo.

*Leia nota completa na edição impressa da Folha dos Lagos deste fim de semana.

Saiba Mais

Ibascf Cabo Frio é buraco sem fundo