Assine Já
domingo, 26 de setembro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ibascaf Cabo Frio é buraco sem fundo

Ibascaf Cabo Frio é buraco sem fundo

Conselheiros acusam prefeitura de não repassar R$ 4 milhões para previdência

19 fevereiro 2016 - 08h16
Ibascaf Cabo Frio é buraco sem fundo

Servidores são descontados no contra-cheque, mas governo municipal não faz o repasse dos recursos

 

Rodrigo Branco

Os problemas não acabam para o governo municipal. A Associação dos Fiscais Municipais (AFM) entrou ontem com uma ação no Ministério Público Estadual (MP) contra a prefeitura, acusando-a de descontar mas não repassar para o Fundo Previdenciário Capitalizado (FPC) do Instituto de Benefícios e Assistência dos Servidores Municipais de Cabo Frio (Ibascaf) a contribuição dos servidores que ingressaram no município a partir de 2010.
O rombo, segundo os fiscais, já chegaria a R$ 4 milhões desde 2013, período que compreende o estudo realizado pela AFM e que embasou a denúncia feita ao MP. Os dados foram reunidos por meio de extratos fornecidos pela própria Ibascaf após pedido feito por membros do Conselho de Administração da entidade.

Segundo o presidente da AFM, Jorge Barbosa da Costa, em uma situação de normalidade, duas contas deveriam ser usadas na operação, uma do Banco do Brasil, onde o montante descontado é depositado, e outra da Caixa Econômica Federal, onde o fundo em si é gerido e tem rentabilidade de cerca de 10% ao ano.

No entanto, o estudo concluiu que, nos últimos três anos, a prefeitura depositou na Caixa apenas uma pequena parte do que foi descontado dos servidores, enquanto o restante teria sido movimentado diretamente no Banco do Brasil para outras finalidades. Se confirmada, a prática contraria a Lei Federal 9717 de 1998 e a Orientação FolhaNormativa MPS/SPS 02, de 31 de março de 2009, do Ministério da Previdência Social, podendo ser configurado como crime previdenciário.

Segundo o presidente da Associação dos Fiscais, o saldo das aplicações deveria ser de aproximadamente R$ 13 milhões, mas no momento só há apenas R$ 9 milhões.

– Não estamos fazendo isso de forma leviana. Foi tudo apurado. Isso pode dar de improbidade administrativa para cima. Não só os servidores estão sendo lesados, mas a cidade como um todo – disse Jorge Barbosa.

*Leia matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos desta sexta-feira (19)