Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Hospital da Mulher

Hospital da Mulher, em Cabo Frio, vive dia de caos

Gestantes e acompanhantes reclamam do péssimo atendimento na unidade

25 novembro 2015 - 09h40Por Gabriel Tinoco

Ao que tudo indica, a crise que se espalha pela saúde públi­ca de Cabo Frio também conta­minou o Hospital da Mulher, no Braga. Pacientes e acompanhan­tes reclamam incessantemen­te do péssimo tratamento e da demora para o atendimento na maternidade. Dezenas de pesso­as na fila de espera na tarde desta terça-feira (24) reforçavam ainda mais o clima de insatisfação. A Folha visitou a unidade e ouviu inúme­ras queixas sobre o caos a que as mulheres eram submetidas.

A autônoma Jéssica Barcelos, 24, não escondia a insatisfação com o modo em que a cunhada grávida era tratada.

– Minha cunhada voltou ao hospital na tarde de anteontem (domingo) com muita perda de líquido. Ela foi internada, mas não recebeu o tratamento ainda e está perdendo líquido desde en­tão. Estou implorando para que seja feita a cesária. Ela poderia ter o bebê no domingo, mas há o risco da criança nascer morta por irresponsabilidade médica. Está vomitando muito também, o tempo inteiro. Além do mais, em 24 horas, nenhum médico passou no quarto para fazer uma visita – protestou.

Uma das principais reclama­ções era justamente a precarie­dade na estrutura e a falta de medicamentos. O operador de equipamentos Cassiano da Sil­va, 25, estava indignado com o tratamento indigno em que gestantes eram submetidas no hospital.

– Precisei tirar dinheiro do próprio bolso para comprar re­médio para a minha esposa. Não havia medicamento na uni­dade. A partir daí, me pergunto: do que adianta uma internação? Não acreditei enquanto passei pelos corredores e vi grávidas esperando em pé. Não havia maca. Algumas estavam até sem aquela roupa verde. E o pior: se você vai fazer uma re­clamação com o diretor do hos­pital, dizem que ele nunca está. No meu caso, a minha esposa quase foi forçada a fazer um parto normal, quando o correto era optar pela cesária. Somente depois de muito esforço, conse­guimos convencer os médicos a fazer tudo da maneira correta – comentou ele, bastante indigna­do e com filmagens para com­provar o descaso.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (25)