Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
MP

'HCE não poderia substituir a UPA', diz vice do Cremerj

Nélson Nahon diz que unidade não tem condições materiais e humanas de absorver a demanda

31 março 2016 - 09h21Por Rodrigo Branco
'HCE não poderia substituir a UPA', diz vice do Cremerj

Fechamento da UPA do Parque Burle foi considerado problemático para o Conselho Regional (Arquivo Folha)

O Hospital Central de Emergência, em São Cristóvão, não tinha condições de absorver o movimento de pacientes que procuravam a UPA do Parque Burle, fechada no fim do ano passado. O diagnóstico é do vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremerj), Nélson Nahon, em entrevista exclusiva à Folha.

Na próxima semana, conforme noticiado na edição de ontem, a entidade vai entrar com representação no Ministério Público pedindo solução para uma série de irregularidades encontradas durante visitas de inspeção realizadas em fevereiro no HCE, no Hospital da Mulher e no São José Operário.

Folha – O que mais chamou a atenção nessa inspeção?
Nahon – Em primeiro lugar o fechamento da UPA. Pelos relatórios, o hospital que absorveu o movimento (HCE) não tinha a estrutura necessária para emergência: insumos, medicamentos, recursos humanos. Evidentemente o HCE ficou sobrecarregado. No Hospital da Mulher, também vimos deficiências.

Folha – Com a denúncia ao MP, o que acontece agora?
Nahon – Nossa entrada não é contra ninguém. O MP é um órgão da Justiça que tem como objetivo melhorar o atendimento ao cidadão. Queremos apenas encontrar as saídas necessárias. Sabemos que o estado passa por grave crise não passa recursos, mas cabe a Cabo Frio e outros municípios o buscarem em outro lugar, na esfera federal.

Folha – Como chegou ao ponto de o Cremerj tomar essa atitude?
Nahon – O Cremerj é uma autarquia federal que tem a obrigação institucional de fiscalizar as condições éticas de trabalho. Quando isso não acontece quem sofre são os profissionais e a população. Só temos como usar esses dois caminhos para denunciar: a imprensa e o Ministério Público.

Folha – E qual o pior problema para os médicos hoje?
Nahon – Fizemos uma pesquisa e o salário ficou em terceiro lugar. Os profissionais preferem boas condições de trabalho.

Folha – Já falou com o secretário de Cabo Frio ?
Nahon – Estamos dispostos a conversar, dialogar. Ele reconhece a situação. A culpa não é dele. Sem verbas, complica. Mas e aí? Alguém tem que fazer algo.

Leia também: 

Conselho Regional de Medicina denuncia Saúde de Cabo Frio ao Ministério Público