Assine Já
quinta, 25 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26207 Óbitos: 900
Confirmados Óbitos
Araruama 6686 181
Armação dos Búzios 3181 32
Arraial do Cabo 844 37
Cabo Frio 7163 342
Iguaba Grande 2472 54
São Pedro da Aldeia 3486 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
manifestação

Guardas de Búzios fazem novo protesto hoje

Agentes programamam manifestação do Trevo de Ceceu até a porta da Prefeitura

09 junho 2015 - 08h53Por Nicia Carvalho
Guardas de Búzios fazem novo protesto hoje

Nicia Carvalho

 

Os guardas municipais de Armação dos Búzios fazem nova manifestação hoje, a partir das 9 horas, em protesto pela adequação salarial da categoria que exige R$ 1.652 de remuneração ao contrário dos atuais R$ 969. A estimativa é de que 200 agentes participem da caminhada, que seguirá até a prefeitura.

– Queremos que a lei seja cumprida e não vamos desistir de cobrar nossos direitos. Temos a mesma escolaridade dos fiscais. Então, o salário deve ser ajustado. Vamos ver se na quarta (amanhã) o prefeito vai nos receber – argumentou Alexandro da Silva, presidente da Associação dos Guardas Municipais de Búzios.

Esta é a segunda manifesta- ção promovida pela corporação, que na semana passada realizou protesto que seguiu da Câmara Municipal até o prédio do executivo com cerca de 140 guar- das. A expectativa de Alexandro é reunir mais homens amanhã e, segundo ele, guardas de outras cidades também devem cami- nhar amanhã, uma vez que as reivindicações são de interesse coletivo da categoria.

Guardas exigem cumprimento de leis

O protesto dos guardas é amparado pelas leis municipal e federal (13.022 - Estatuto Nacional dos Guardas Municipais), que iguala as exi- gências de formação entre guar- das e fiscais. Pelas leis, ambos têm que ter ensino médio com- pleto e mesmas atribuições, mas o salário continua menor para o primeiro grupo.

De acordo com Alexandro, os protestos tomaram as ruas porque a prefeitura recuou no acordo em andamento com a categoria, referente ao processo 8318/2014 de adequação sala- rial, que previa equiparação em 55%, ao invés dos 71% que se- ria devido. A redução teria sido aceita pela Comissão de Negociação dos guardas por conta da crise dos royalties.

Pelo acordo oferecido pela Comissão e que seria sancionado pelo prefeito André Granado (PSC), o percentual a menor seria pago em duas parcelas: 40% este mês e a segunda, 15%, em janeiro do ano que vem. No entanto, o governo recuou alegando falta de verba e ofereceu apenas 5% de aumento apenas em cima do índice de risco de vida, que atualmente está em 35%. Os guardas recusaram a oferta.

A Comissão de Negociação da Guarda apresentou então nova proposta com pagamento dividido em três parcelas, sendo 20% em junho, 20% em janei- ro de 2016 e 15% em janeiro de 2017, que também foi recusada pela prefeitura. Na mensagem sobre a equiparação, a Comissão aceitara a proposta do governo para alteração de escala do efe- tivo, com objetivo de reduzir os gastos públicos.