Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8330 Óbitos: 430
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 491 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1341 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
guardadores

Guardadores ‘privatizam’ ruas do centro da cidade

Nilo Peçanha foi ‘interditada’ por flanelinhas no fim de semana

21 novembro 2016 - 23h59Por Redação | Foto do leitor
Guardadores ‘privatizam’ ruas do centro da cidade

 Guardadores ilegais seguram as vagas usando tijolos e pedras

Quem precisa estacionar seu car­ro nas vias públicas de Cabo Frio precisa, no momento, pedir licença a guardadores ilegais que se insta­laram pelo centro da cidade. E por pedir licença, entenda-se pagar. No fim de semana, flanelinhas interdi­taram um pedaço da avenida Nilo Peçanha – adjacente à praia – com tijolos e cadeiras. A poucos metros das vagas ‘privatizadas’, no can­teiro central, um homem esperava para cobrar de quem quisesse parar ali. Uma cena corriqueira em dias de abandono de Cabo Frio.

A foto que ilustra a matéria mos­tra o trecho da Nilo Peçanha entre as ruas Meira Júnior e Tamoios estava ‘reservado’ para os ‘clientes’ dos guardadores ilegais. Ela foi tirada pelo empresário Vinicius Pinheiro, por volta das 10h de domingo, ante­ontem, mas, segundo outros relatos ouvidos pela Folha, a cena está sen­do comum aos fins de semana.

– Assim que estacionei, ele veio me abordar [o homem sentado em um toco no canteiro central, na foto ao lado], mas logo depois foi dis­cutir com um outro guardador, di­zendo que esse cara estava devendo a ele. Eles estavam quase brigando e, como eu estava com minha filha pequena, preferi entrar no carro e ir embora – relata o empresário.

Ainda segundo Vinicius, um carro adesivado pela Prefeitura de Cabo Frio passou pelo local, mas isso não inibiu os guardadores.

– O carro da Prefeitura encostou ao lado deles e conversou alguma cois. Daí, foram embora [os agentes da Prefeitura]. O primeiro [guarda­dor] continuou no local e o outro passou a cobrar quem estacionava ali em frente à Praça das Águas.

Situação semelhante viveu um outro empresário, de 32 anos, que preferiu não se identificar:

– Minha esposa já sofreu uma pe­quena ameaça e arranharam a lateral do meu carro porque ela se recusou a pagar o “estacionamento” ali perto do Santander, na Raul Veiga. Aque­les caras têm até uniforme e cobram estacionamento ilegal – contou.

A Folha dos Lagos tentou entrar em contato com a Coserp, respon­sável por ordenar o estacionamento no município, mas não teve resposta até o fechamento, às 17h.