Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
guarda ambiental

Guarda ambiental faz alerta sobre a chegada de pinguins

Animais costumam aparecer no Brasil durante o inverno

18 junho 2015 - 09h25
Guarda ambiental faz alerta sobre a chegada de pinguins

FILIPE CARBONE

A chegada do inverno no Brasil pode trazer às praias da Região dos Lagos pinguins que procuram por um ambiente mais quente para passar a temporada de frio. No entanto, é comum associar esses animais, que vivem, em grande maioria, no polo sul, com a necessidade de mantê-los em um ambiente gelado. Leonardo Sandre, diretor geral da ONG Instituto Ecológico Búzios Mata Atlântica (IEBMA) e guarda parque do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), explicou as precauções para quem encontrar esses visitantes nas praias.

– O primeiro passo é observar se o animal está em um local seguro. Se ele estiver, é importante que não toque nele, pois eles são transmissores de muitas doenças, e ligar para Corpo de Bombeiros, Inea ou até mesmo a prefeitura. Caso ele não esteja em locais seguros (beiras de estrada ou sendo jogados contra as pedras das praias), a pessoa deve retirá-lo do local e fazer a ligação para os órgãos – explicou. 

Para ele, é comum as pessoas associarem pinguim a frio, e isso piora a situação do animal que, na verdade, precisa ser aquecido. Ele diz que a temperatura corporal do pinguim é 39°C e a partir do momento que ele entra em contato com o gelo passa a correr risco de vida.

– Nunca se deve colocar o animal no gelo. Muitas vezes eles chegam aqui machucados. Esses ferimentos em contato direto com o frio pode reduzir tanto a temperatura que pode levá-lo a morte. Mantenha ele aquecido, com jornais em volta – afirmou.
Cidades como Cabo Frio, Arraial do Cabo e Búzios já chegaram a registrar 3.500 pinguins nas praias, em 2012. Entretanto, essa frequência não faz com que a região se prepare para essas situações.

– É uma pena a cidade não ter um centro para receber estes animais. Faz uma falta muito grande e cria um buraco na sociedade. Deveríamos ter um centro de tratamento de emergência para que esses problemas sejam resolvidos de forma mais eficiente – apontou.
Segundo Leonardo, independente da época do ano, é de grande importância a criação de um centro para receber os animais. Ele informa que outros animais silvestres que são capturados ficam um tempo muito grande no centro de triagem, que aumenta o tempo de espera para ele voltar à natureza.

– Não podemos falar apenas de pinguins. Vimos gambás, pássaros e outras centenas de espécies que sofrem acidentes no meio urbano com frequência. Se tivéssemos centros de emergência, os animais seriam tratados e voltariam para a natureza. Como não temos um, temos que mantê-los na triagem por mais tempo que o recomendado – explicou.