Assine Já
terça, 27 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Charitas

Grupos LGBT protestam contra censura no Charitas

Ato terá como alvo a direção do museu, acusada de mandar virar fotos de exposição sobre Parada Gay

16 setembro 2014 - 11h33Por RODRIGO BRANCO
Grupos LGBT protestam contra censura no Charitas
Está marcado para o final da tarde de hoje um protesto de grupos ligados ao movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros) na Região dos Lagos em frente ao Charitas – Museu e Casa de Cultura José de Dome, no Centro.
Denominado  ‘Manifestação em Favor do Estado Laico e Contra a Censura e Homofobia’, o ato, previsto para as 16 horas, servirá como demonstração de repúdio e cobrança à prefeitura e autoridades da área cultural do município, de uma atitude com relação à direção do espaço, onde na última sexta-feira, fotos da exposição sobre os 10 anos da Parada Gay em Cabo Frio, da fotógrafa Tatiana Grynberg, apareceram viradas para a parede.
O fato causou grande repercussão nas redes sociaise provocou a ira das lideranças de grupos ligados à causa LGBT, como o presidente do Grupo Iguais, Rodolpho Campbell, que acusa a diretora do Charitas, Sônia Portugal, de censura e homofobia. Segundo ele, a ordem para virar as imagens teria partido da direção, preocupada com a visita de um grupo de estudantes ao local.
– Nunca fomos censurados ou tivemos nossos direitos cerceados dentro de um espaço público de diversidades cultural – indigna-se.
O ativista também conta que convidou para a manifestação professores, estudantes, artistas e companheiros de militância. Ele pede a punição da diretora baseado na Lei Municipal N° 2.557, de 26 de Março de 2014, que prevê sanções e multas, em caso de atos de discriminação.
– Espero uma atitude do secretário (José) Facury e do prefeito Alair Corrêa, que sempre se mostraram contra essas práticas – cobrou.
Responsável pela pasta à qual o Charitas está  subordinado, José Facury classificou o ato como ‘lamentável’, mas ressaltou a necessidade de regulamentação dos equipamentos culturais da cidade.
–Os espaços culturais de Cabo Frio não tem regulação de uso. Hoje podem fazer o que quiser neles, mas independentemente disso achei o fato lamentável – argumentou.
O secretário disse ainda que nos próximos dias será publicada no Diário Oficial a Regulamentação de Cessão dos Espaços Culturais. Segundo ele, o objetivo é ver ‘o que cabe e o que não cabe’ em cada espaço. Apesar da polêmica, Facury garante que a exposição permanecerá no mesmo local, ‘até quando desejarem os organiza-dores’.
Conforme a Folha antecipou na edição do final de semana, desde os preparativos, em junho, a mostra se viu envolta em controvérsias. Um dos motivos é que as fotos estão expostas em ambiente que ostenta a imagem de uma santa da Igreja Católica.
– O Charitas não a postura de julgar ninguém – defendeu-se a diretora Sônia Portugal.
FALAMOS CINCO MINUTOS COM TATIANA GRYNBERG, AUTORA DA EXPOSIÇÃO
"NÃO TEVE PEDIDO DE DESCULPAS, NEM EXPLICAÇÃO OFICIAL"
Se o incidente ocorrido na última sexta-feira, no Charitas, quando fotos da exposição fotográfica sobre os 10 anos de história sobre a Parada LGBT de Cabo Frio foram viradas para a parede, causou indignação em ativistas e simpatizantes do movimento, que viram evidências de censura e homofobia na atitude do espaço de cultura, chateou principalmente a autora do trabalho, a premiada fotógrafa Tatiana Grynberg. Em entrevista para a Folha, a artista desabafou sobre o episódio e disparou contra a direção do museu: “Não imaginei que teria essa atitude”.
 
Folha dos Lagos – O Charitas já deu alguma explicação oficial a você pelo ocorrido? Houve algum pedido de desculpas?
Tatiana Grynberg – Não teve um pedido de desculpa, nem uma explicação oficial das fotos viradas. As informações que tive foram através de amigos e da imprensa, que estiveram lá.
Folha – Como foi a reação do público em geral ao ocorrido? Você tem recebido muitas manifestações de apoio?
Tatiana – Alguns amigos que foram ver ficaram indignados, não entenderam nada. E mais:  uma amiga que acompanha meu trabalho desde o início chegou na sexta às 15 horas, perguntou pela minha exposição e eles fingiram que não sabiam de nenhuma exposição de fotos de Tatiana Grynberg. Minha colega insistiu porque eu havia feito o convite pessoalmente para que fosse prestigiar a exposição.  Então as levaram elas até o espaço onde as fotos estavam viradas, viraram uma a uma para ela verem e  disseram que estava assim porque iriam receber crianças do Colégio Sagrado (Coração de Jesus). O curador (Evangelos Pagalidis) falou que devia ser alguns evangélicos, que estavam no lançamento de um livro, que tinham virado. Coisa feia, né?
Folha – Como avaliou o que aconteceu? 
Tatiana – Primeiro fiquei triste com a  atitude dos visitantes que não respeitam a arte alheia, depois quando soube que partiu da própria direção do Charitas a ordem para virar as fotos e ainda desconhecer a minha exposição, fiquei indignada. Como uma diretora de um espaço cultural faz uma coisa dessa? Outro fato curioso é que no final da montagem já senti uma certa resistência. Depois que a diretora chegou, queriam trocar de lugar a exposição por conta de uma (imagem de) santa nessa sala, mas no final ficou tudo certo. O curador Evangelos, que me ajudou a montar, até me pediu desculpas pessoalmente na hora do coquetel de vernissage, mas não imaginei que a direção iria ter essa atitude.
Folha – Falando exposição propriamente dita, como e por que surgiu a ideia de promovê-la?
Tatiana – Há 11 anos fui umas das fundadoras do Movimento  LGBT de Cabo Frio e, como fotógrafa, registrei tudo. Após algumas Paradas do Orgulho LGBT, percebi que tinha umas fotos interessantes, bonitas, coloridas e divertidas e aí mesmo saindo da militância continuei a ir a todas as paradas e fotografar, já pensando em expor quando fizesse 10 anos de Parada. São só 20 fo-tografias escolhidas com muito sacrifício porque o acervo é enorme. No dia do vernissage passamos muitas fotos pelo datashow. 
Folha – Vocês pretendem levar a exposição a outros espaços?
Tatiana – Não está nos meus planos levá-la a outros espaços. Vou doar  para Grupo Iguais  da qual também fui uma das fundadoras e depois fazer outra exposição, mas com outro tema que se passe aqui em Cabo Frio.