Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
​Grampo em telefones provoca polêmica entre especialistasções

​Grampo em telefones provoca polêmica entre especialistas

Análises versam se há ilegalidade ou abuso de poder

18 março 2016 - 11h32


Pautas preferenciais nos últimos dias, o grampo telefônico autorizado e divulgado pelo juiz federal Sérgio Moro e a nomeação do ex-presidente Lula ao cargo de ministro-chefe da Casa Civil monopolizaram o debate nas ruas e redes sociais, ontem. A Folha dos Lagos resolveu ouvir especialistas para saber se, em ambos os casos, houve ilegalidade ou abuso de poder.

O ex-chefe do Estado Maior da PM e especialista em inteligência policial pela ONG Instituto Igarapé, o coronel reformado Róbson Rodrigues afirmou que vê com bons olhos o trabalho investigativo das instituitições, mas condenou a iniciativa do magistrado paranaense de vazar as conversas do ex-presidente Lula com a Dilma, o ministro Jaques Wagner e o prefeito do Rio, Eduardo Paes.

– Acho positivo a Justiça apurar como nunca se apurou antes, para todos os lados, independentemente da posição que ocupa o investigado, mas tecnicamente falando, sobre o vazamento, acho lamantével, primeiro porque essa não é a função do magistrado, pois é uma fase administrativa dentro do processo e nesse caso há a polícia. E o juiz deve se posicionar de forma isenta, como fiel da balança.

O advogado Carlos Magno de Cravalho concorda com Róbson quanto ao vazamento, mas rechaça a hipótese de ilegalidade no grampo, levantada por simpatizantes do PT.

– Os grampos determinados pelo juiz Sérgio Moro sobre o Lula foram legais porque ele não detém foro por prerrogativa de função, sendo que os detentores desse foro foram grampeados por extensão porque conversavam com o investigado – afirma.
Em sua página, o presidente estadual da OAB, Felipe Santa Cruz, repudiou a divulgação das conversas, por, segundo ele, ‘ferir o estado democrático de direito’.