Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Governo

Governo vai analisar contraproposta para calendário de pagamento

Servidores formalizam parcelamento e aguardam nova rodada de negociação

11 janeiro 2017 - 02h25Por Texto: Rodrigo Branco | foto: Divulgação AFM
Governo vai analisar contraproposta para calendário de pagamento

 A Prefeitura de Cabo Frio vai analisar a contra­proposta feita pelos servi­dores municipais para o calendário de pagamento dos salários e de gratifi­cações atrasadas. A pri­meira oferta do governo foi rejeitada na noite de segunda-feira (9) em assembleia organizada pelos sindica­tos de várias categorias, inclusive da Saúde e da Guarda Municipal. Na sexta-feira (6), a Educação decidiu fechar acordo de parcelamento dos venci­mentos atrasados.

Em nota, o governo municipal disse que as­sim que for notificado será feita nova avaliação e pos­terior retomada da nego­ciação com os trabalhado­res. É o que aguardam os representantes sindicais, para que os serviços públi­cos voltem à normalidade.

– Tivemos a primeira rodada de negociação an­tes mesmo de o prefeito tomar posse. Depois que ele assumiu, tivemos outra reunião, já com uma pro­posta bem diferente da pri­meira.

 Agora, novamente vamos sentar e avançar nas negociações porque é conversando que a gente se entende. É do interesse de todo mundo resolver isso – disse o presidente do Sindicato dos Servido­res Públicos de Cabo Frio (Sindicaf), Olney Vianna.

O principal fator para a rejeição da primeira pro­posta da Prefeitura foi o fato de ela ter sido consi­derada menos detalhada do que a apresentada para os profissionais de ensino. Na oferta inicial, só havia menção aos pagamentos dos meses de dezembro do ano passado e de janei­ro. O restante do débito ainda seria discutido com o funcionalismo. Além disso, segundo Olney, as projeções para este ano apontam para um aumento das receitas do município em relação ao ano passado.

– Apesar da Educação ter verba própria, o gover­no vai ter que entrar com recursos próprios também. Aí não é justo com os de­mais servidores que vão ter que apertar o cinto no último buraco. Ou todo mundo aperta o cinto, ou faz uma coisa justa, na média para todo mundo – disse Olney, para quem o pagamento imediato do sa­lário atrasado de setembro ‘não tem discussão’.

A contraproposta – Elaborada pelo vice-pre­sidente da Associação dos Fiscais Municipais (AFM), José Renato de Almeida, e aprovada na assembleia, a contrapro­posta do funcionalismo prevê a quitação imediata do que falta do mês de se­tembro do ano passado e os pagamentos dos meses de outubro até depois de amanhã (13/1); de janei­ro (até 31/1); de novem­bro de 2016 (até 14/2); de fevereiro (até 28/12); de dezembro de 2016 (até 15/3); de março (até 31/3) e do 13º salário e gratifica­ções pendentes (até 14/4). Além disso, deverá ser criado até o mês que vem um Conselho do Plano de Cargos, Carreira e Remu­neração (PCCR).