Assine Já
quinta, 26 de novembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11737 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2347 117
Armação dos Búzios 1060 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1069 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
salários atrasados

Governo paga primeira parcela de salários atrasados da gestão passada

Marquinho nega influência do estado de greve: 'pressão comigo não funciona'

18 agosto 2017 - 12h24Por Rodrigo Branco | Arquivo Folha
Governo paga primeira parcela de salários atrasados da gestão passada

A Prefeitura de Cabo Frio pagou ontem a primeira parcela de 10% do valor referente ao 13º salário de 2015 e 2016 e do mês de dezembro de 2016. Um acordo assinado entre o governo e os sindicatos previa o depósito do dinheiro na conta dos trabalhadores no último dia 7. 

Curiosamente, a primeira parte dos resíduos deixados pela gestão do ex-prefeito Alair Corrêa foi quitada um dia após uma assembleia extraordinária convocada por três sindicatos decretar estado de greve no funcionalismo municipal, com exceção dos profissionais da Educação. O prefeito Marquinho Mendes (PMDB) negou ontem que o pagamento tenha sido reflexo da pressão feita pelos servidores.

]– Não tem nada a ver. Estou sabendo por você (que foi decretado estado de greve). Hoje, estou preocupado é com a reconstrução da cidade. Não tenho tempo de ficar acompanhando resultado de assembleia. Comigo esse tipo de pressão não funciona. É porque entrou um dinheiro na arrecadação, porque se não tivesse, não pagaria – disparou Marquinho. 

O pagamento da primeira parcela alivia um pouco a barra de uma relação que dá sinais de desgaste, mas nem de longe afasta a possibilidade de uma paralisação. Na assembleia, ficou definido que, cinco dias antes da data prevista para o pagamento (8 de setembro), será enviada uma advertência à prefeitura e à população. Caso o salário do mês e a segunda parcela não sejam depositadas, os trabalhadores entrarão em greve a partir do dia seguinte. 

– A chance de greve é real. O pessoal está cheio do descumprimento desses acordos. Tem momentos que as pessoas não aguentam mais. Elas se programam, negociam as dívidas e aí chega no quinto dia útil e não recebem – reclama o presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde (SindSaúde), Gelcimar Almeida. 

Numa mostra de que o assunto ainda promete render, Marquinho ameaçou ‘tomar as medidas cabíveis’ se uma eventual greve se concretizar.

– Estou com os salários em dia. A lei prevê greve apenas quando os salários do mês não estão em dia e não com relação ao acordo de atrasados – finaliza.

Em nota, a prefeitura afirmou que o pagamento dos servidores deste ano está em dia e que vem empenhando todos os esforços para regularizar os pagamentos deixados em atraso pela gestão passada e pagar, no menor prazo possível, os proventos atuais.

De acordo com a gestão municipal, a variação nas datas de pagamento ocorre em virtude da necessidade de continuar pagando salários deixados em atraso pelo governo anterior, o que vem sufocando as contas do município em um período de diminuição na arrecadação. A Prefeitura reiterou que todas as reservas financeiras disponíveis desde o início do ano foram utilizadas para amortizar a dívida deixada, o que descapitalizou os cofres públicos.