Assine Já
sábado, 23 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
acordo

Governo e servidores fecham acordo para pagamento de atrasados

Débitos salariais referentes à gestão passada serão parcelados em sete vezes a partir de julho

22 junho 2017 - 09h32Por Redação I Foto: Divulgação
Governo e servidores fecham acordo para pagamento de atrasados

Funcionalismo e governo chegaram a um acordo para o pagamento dos salários atrasados de 2015 e 2016. Em assembleia realizada no auditório da prefeitura na noite desta quarta-feira (21) foi aprovada a proposta de parcelamento do débito em sete vezes. A primeira parcela será paga em julho, juntamente com o salário do mês de junho.

Segundo a prefeitura, de julho a dezembro será obedecido um teto de R$ 1 milhão a mais na folha de pagamento, e o restante sendo quitado em janeiro, quando a arrecadação da cidade aumenta por causa do pagamento de impostos. O déposito das percelas será feito até o quinto dia útil de cada mês assim como os salários de 2017. 

A proposta não vale para os funcionários da Educação, já que o setor dispõe de recursos próprios do Fundeb e está com os pagamentos mais avançados que as demais categorias. A negociação também não interfere nos salários deste ano, que continuarão a ser pagos normalmente.

Governo agiu rápido após recusa em assembleia

No jogo de xadrez que se tornou a negociação entre a prefeitura de Cabo Frio e o funcionalismo municipal, o governo tratou de fazer um movimento rápido para dar o ‘xeque mate’. Após ter a proposta de parcelamento das dívidas salariais de 2015 e 2016 em oito meses rejeitada pelos servidores em assembleia na terça (20), o prefeito Marquinho Mendes (PMDB) reuniu-se na manhã desta terça (21) com o secretário de Administração, Deodoro Azevedo, e outros integrantes da alta cúpula para elaborar um plano B.

– Fechamos (a proposta) em sete meses e acho que não vai haver problemas. Acredito que tudo já está certo – dizia, confiante, o prefeito.

A negociação começou a se arrastar depois que o município conseguiu liberar na Justiça os R$ 15,8 milhões do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que estavam retidos pelo Governo Federal. Com a iminência da chegada do dinheiro, os sindicatos endureceram o jogo e vislumbraram o pagamento das pendências de forma integral. No entanto, a possibilidade foi rechaçada pela prefeitura.

Inicialmente, o governo havia feito um acordo com os servidores no começo do ano para o pagamento das dívidas deixadas pelo gestão do ex-prefeito Alair Corrêa, mas, desde maio, parou de cumpri-lo sob a alegação de queda na arrecadação própria.