Assine Já
sábado, 15 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
Alerj
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 38271 Óbitos: 1463
Confirmados Óbitos
Araruama 9632 300
Armação dos Búzios 4705 57
Arraial do Cabo 1332 69
Cabo Frio 10222 542
Iguaba Grande 3800 93
São Pedro da Aldeia 5306 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
NOTA TÉCNICA

Governo do estado aponta que 96% da população do Rio está sob baixo risco de Covid-19

Região da Baixada Litorânea completou um mês no regime de bandeira amarela

03 setembro 2020 - 21h08Por Redação

A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 divulga, nesta quinta-feira (), a quinta atualização da nota técnica e painel de indicadores sobre a pandemia de coronavírus no Rio de Janeiro. O estudo revela que, entre as nove regiões nas quais o estado é dividido, sete estão classificadas como bandeira amarela, indicativo de risco baixo para a doença. São elas: Metropolitanas I e II, Médio-Paraíba, Centro-Sul, Baixada Litorânea, Norte e Serrana. Juntas elas abrangem cerca de 96% da população fluminense.

No último Mapa de Risco, publicado em 19 de agosto, apenas 92% da população viviam em regiões classificadas como tendo baixo risco. A mudança se deu com a evolução das regiões Médio Paraíba e Centro-Sul para a bandeira amarela, de baixo risco. Antes as duas regiões estavam classificadas como risco moderado, mas apresentaram uma diminuição significativa em óbitos e, no caso da região Médio Paraíba, casos. Em contrapartida, as regiões Noroeste e Baía da Ilha Grande voltaram a apresentar risco moderado. No entanto, as duas regiões juntas representam menos de 4% da população do estado.

O estado do Rio de Janeiro como um todo está classificado na bandeira amarela, de risco baixo. A razão para isso pode ser observada em indicadores como a taxa de ocupação de leitos e na variação do número de óbitos, que apresentou uma queda de 10,99%, em relação à última semana de julho.

Danilo Klein, chefe de gabinete da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, ressaltou que o estado tem apresentado queda no número de casos, óbitos e internações desde o pico da pandemia, registrado nas duas primeiras semanas de maio. Ele ressaltou, no entanto, a importância de manter as medidas sanitárias adequadas.

"É importante frisar que o estado tem várias regiões de saúde", explicou Klein. "Tem hora que uma região está sofrendo e, em outras, não. Isso acaba afetando o estado como um todo, sendo para uma bandeira mais restritiva ou para uma mais flexível. A gente acredita que o estado possa se manter nessa bandeira amarela ainda por um período. Então, as medidas sanitárias de evitar aglomeração no amarelo e no laranja se mantêm”.

A nova versão do Pacto Covid analisa a Semana Epidemiológica 33 (09 de agosto a 15 de agosto) em relação à Semana Epidemiológica 31 (de 26 de julho a 1° de agosto). Para a classificação do Pacto Covid, são considerados os indicadores de taxa de positividade de pacientes testados para coronavírus; e de variação de casos e óbitos por SRAG; de taxa de ocupação de leitos destinados a SRAG; e de previsão de esgotamento de leitos de UTI para SRAG. As recomendações de isolamento social variam de acordo com cada nível de risco. A coloração das bandeiras e os riscos indicados variam entre roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo).

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.