Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
PLANO DE CONTINGÊNCIA

Governo do Estado anuncia reforço das ações para enfrentar novo coronavírus

Dezessete casos estão sob suspeita em todo o Rio, mas nenhum foi confirmado

28 fevereiro 2020 - 22h54Por Redação

O secretário de Saúde, Edmar Santos, reafirmou, na tarde desta sexta-feira (28), que o Governo do Estado do Rio de Janeiro está preparado para as ações de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19). De acordo com o secretário, 17 casos são tratados como suspeitos e estão sendo monitorados pelas autoridades sanitárias. Ele garantiu que não há caso confirmado em território fluminense e disse que a Secretaria de Polícia Civil já está atuando para identificar possíveis autores de fake news em relação à doença.

- Não temos caso confirmado de coronavírus no Rio de Janeiro. O único caso confirmado no Brasil é o de São Paulo. Além disso, não há evidência, até o momento, de que o coronavírus esteja circulando em nosso meio, quer que seja no Brasil, mesmo em São Paulo, ou no Rio de Janeiro. Isso é muito importante, porque muda significativamente as medidas que precisamos adotar. É diferente receber casos que vieram de fora, ou seja, importados de maneira isolada, do que ter o vírus circulando em nosso meio, com uma transmissão sustentada no próprio estado. No Rio de Janeiro, não temos isso – reafirmou o secretário de Saúde, Edmar Santos, que deu entrevista ao lado do secretário da Casa Civil, André Moura.

- Um hospital será inaugurado no Rio com 75 leitos, que podem ser totalmente dedicados aos possíveis pacientes com o novo coronavírus. Outra ala em outra unidade, com 20 leitos, também está nosso planejamento para ser inaugurado – complementou Santos.

A estratégia do Governo do Rio, que segue os parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, é ter a Secretaria de Estado de Saúde como ponto focal das informações sobre o novo coronavírus. O alerta é para o combate às fake news, que podem gerar pânico na população e até mesmo atrapalhar o planejamento para enfrentar uma possível epidemia no estado.

- Um dos objetivos neste momento é também o combate às notícias falsas. Eu serei o porta-voz das notícias boas ou más. Quero deixar isso claro para a população do Rio de Janeiro. Não existe a possibilidade de o vírus chegar ao estado ou, em outro momento, estar circulando e a Secretaria de Saúde não ir a público assumir. Isso é para que se tenha uma única voz no estado, que está em perfeita harmonia com o Ministério da Saúde – disse o secretário.

Casos suspeitos

Dos 17 casos suspeitos, oito são na capital (sendo seis residentes e dois estrangeiros). Niterói (4), Maricá (1), Macaé (1), Nova Friburgo (1), Resende (1) e Nova Iguaçu (1 estrangeiro) são as demais cidades fluminenses com suspeita do Covid-19. Além dos sintomas respiratórios, os pacientes têm histórico de viagem para países com circulação ativa do vírus.

Plano de contingência

A Secretaria de Saúde estabeleceu, desde o dia 31 de janeiro de 2020, um plano de contingência para enfrentar um possível surto de coronavírus no estado do Rio. O plano emergencial tem a intenção de sistematizar ações e procedimentos de responsabilidade da esfera estadual de governo. Ficou decidido que a Saúde estadual vai apoiar, em caráter complementar, os gestores municipais no combate a um possível surto do Covid-19. Com isso, a secretaria iniciou a preparação do plano de contingência em funcionamento no Nível Zero. Os demais níveis de acionamento (um, dois e três) são organizados de acordo com parâmetros epidemiológicos, como números de casos.

Casos notificados x Casos suspeitos

De acordo com o secretário Edmar Santos, o esclarecimento da população é necessário para que o pânico não se instale. Ele lembra que o Rio de Janeiro está no nível 0, em uma escala de zero a três, quando há casos importados notificados ou confirmados. Santos ainda ressalta que é preciso também diferenciar os casos notificados de suspeitos.

- É absolutamente normal que o nervosismo faça aparecer muitas notificações. Mas quero esclarecer a diferença entre o que é uma notificação e uma suspeita de contaminação pelo vírus. Toda vez que chega alguém com a possibilidade de infecção respiratória, com febre, tosse e falta de ar, o profissional de saúde pode notificar o departamento de vigilância sanitária municipal ou estadual sobre aquele caso. Mas ele não se torna um caso suspeito apenas pela notificação. A definição de suspeita é a de pessoas que estiveram em área de contágio e apresentaram febre e mais outro sintoma de problema respiratório. Ou ainda pessoas que tiveram contato direto com quem teve infecção confirmada pelo coronavírus e que passou a  apresentar febre e outro sintoma de problema respiratório. Esse é o quadro dos 17 casos suspeitos no Rio de Janeiro que estamos acompanhando – falou o secretário.

Combate às fake news

O diretor de Polícia Especializada da Secretaria de Polícia Civil, delegado Delmir da Silva Gouvea, afirmou que investigações estão em curso para apurar a disseminação de notícias falsas na internet.

- Infelizmente, nestes momentos de crise, há pessoas que se aproveitam para difundir notícias falsas, causando pânico e tumulto na população. Esse fato é tipificado criminalmente e, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, está atuando a fim de identificar qualquer pessoa que pratique qualquer ato que venha a produzir pânico ou tumulto. Esses atos são de formas diversas, especialmente fake news, quando um fato, que é apenas uma suspeita, passa a ser um fato concreto. A divulgação certa e precisa vai auxiliar no tratamento das pessoas que vierem precisar – declarou o delegado.

 Medidas de prevenção

- Proteger nariz e boca ao espirrar ou tossir;

- Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres e copos;

- Lavar frequentemente as mãos, especialmente após espirrar ou tossir;

- Evitar ambientes com muita aglomeração;

- Utilizar álcool em gel nas mãos.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.