Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8374 Óbitos: 431
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Fundeb

Fundeb reprova contas da Educação de Cabo Frio

Por três anos consecutivos, Conselho de Cabo Frio não aprova gastos

26 setembro 2015 - 09h00

NICIA CARVALHO

Sem tablets, merenda, gás e água, conforme a Folha noticiou em duas reportagens nos últimos oito dias, e também sem acesso a documentos, a educação de Cabo Frio esbarra em mais um entrave. Desta vez, o motivo são os gas­tos do segmento, que amargam terceira reprovação consecutiva, desde 2013. Numa tentativa de reverter este quadro na aprova­ção das contas, a Prefeitura de Cabo Frio lotou de representan­tes do governo a Assembleia do Sindicato dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe Lagos) para eleição de ti­tulares e suplentes da represen­tação professores e funcionários da rede municipal de ensino para o Conselho do Fundeb no biênio 2016-2017.

– Quem foi eleito tem que representar a categoria, do con­trário, a assembleia pode desti­tuí-lo. Esta manobra do governo só mostra que a nossa fiscaliza­ção está funcionando – afirmou a professora Denize Alvarenga.

Este ano, assim como no ano passado, o motivo se deve ao não envio dos relatórios de gas­tos por parte da Prefeitura ao Conselho do Fundo de Desen­volvimento da Educação Básica (Fundeb). Como o mandato da atual gestão se encerra em 22 de outubro, o Conselho elabora parecer para reprovar as contas. Em 2014, apenas parte das in­formações sobre os gastos foram enviadas ao Conselho.

As contas de 2013, avaliadas no ano seguinte quando o Conse­lho teve acesso aos documentos, foram reprovadas por desvios de verbas e outras irregularidades que foram, inclusive, reconhe­cidas pelo Governo Municipal, que chegou a parcelar o débito, mas só quitou a primeira parce­la. Por conta disso, o Conselho entrou com ação no Ministério Público Federal e Estadual, as­sim como na Controladoria Ge­ral da União.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste fim de semana (26 e 27)