Assine Já
quarta, 08 de julho de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 261 601 41
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 959 61
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 17 500 18
Saquarema 7 518 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
Fundeb

Fundeb reprova contas da Educação de Cabo Frio

Por três anos consecutivos, Conselho de Cabo Frio não aprova gastos

26 setembro 2015 - 09h00

NICIA CARVALHO

Sem tablets, merenda, gás e água, conforme a Folha noticiou em duas reportagens nos últimos oito dias, e também sem acesso a documentos, a educação de Cabo Frio esbarra em mais um entrave. Desta vez, o motivo são os gas­tos do segmento, que amargam terceira reprovação consecutiva, desde 2013. Numa tentativa de reverter este quadro na aprova­ção das contas, a Prefeitura de Cabo Frio lotou de representan­tes do governo a Assembleia do Sindicato dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe Lagos) para eleição de ti­tulares e suplentes da represen­tação professores e funcionários da rede municipal de ensino para o Conselho do Fundeb no biênio 2016-2017.

– Quem foi eleito tem que representar a categoria, do con­trário, a assembleia pode desti­tuí-lo. Esta manobra do governo só mostra que a nossa fiscaliza­ção está funcionando – afirmou a professora Denize Alvarenga.

Este ano, assim como no ano passado, o motivo se deve ao não envio dos relatórios de gas­tos por parte da Prefeitura ao Conselho do Fundo de Desen­volvimento da Educação Básica (Fundeb). Como o mandato da atual gestão se encerra em 22 de outubro, o Conselho elabora parecer para reprovar as contas. Em 2014, apenas parte das in­formações sobre os gastos foram enviadas ao Conselho.

As contas de 2013, avaliadas no ano seguinte quando o Conse­lho teve acesso aos documentos, foram reprovadas por desvios de verbas e outras irregularidades que foram, inclusive, reconhe­cidas pelo Governo Municipal, que chegou a parcelar o débito, mas só quitou a primeira parce­la. Por conta disso, o Conselho entrou com ação no Ministério Público Federal e Estadual, as­sim como na Controladoria Ge­ral da União.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste fim de semana (26 e 27)