Assine Já
segunda, 06 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 337 Confirmados: 3024 Óbitos: 179
Suspeitos: 337 Confirmados: 3024 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 272 585 40
Armação dos Búzios X 256 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 954 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 465 16
Saquarema 17 484 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
Robinson Azevedo

Funcionários da escola Robinson Azevedo protestam no Parque Burle

Motivo da manifestação foi demissão de servidores da unidade

11 julho 2016 - 10h35Por Redação I Foto: Divulgação

Funcionários da escola Robinson Azevedo, no Parque Burle, fizeram ontem uma paralisação das atividades por conta das recentes demissões feitas pela secretaria municipal de Educação. Na unidade, 13 pessoas foram dispensadas, incluindo auxiliares de serviços gerais que atuavam na parte de limpeza.

Por causa disso, a escola amanheceu suja e sem condições de receber aulas, o que motivou uma manifestação que reuniu dezenas de servidores vestidos de preto. Cartazes foram afixados na grade para protestar contra as exonerações e cobrar melhorias para a Educação de modo geral.

Para esta terça (12), está previsto um novo ato no mesmo local de onde os professores sairão para acompanhar a sessão na Câmara dos Vereadores.

Esta não é a primeira vez que os funcionários da escola reclamam da falta de higiene e de condições de trabalho no local. No ano passado, a unidade foi alvo da pressão dos pais dos alunos e do Sepe por conta de uma infestação de pombos.

Desde a semana passada, a Folha vem abordando os problemas causados pelas baixas nas equipes das escolas municipais. No colégio Edilson Duarte (Jardim Caiçara), por exemplo, não houve aulas na quarta-feira por conta da demissão de merendeiras e pessoal das área de apoio, como porteiros.

Após a mobilização da diretoria, quatro funcionários foram reintegrados e a escola, reaberta no dia seguinte.

Além disso, em várias unidades, a demissão de auxiliares de classe que atuavam junto a alunos com necessidades especiais provocou apreensão nos pais.

A secretaria de Educação informou que vai analisar caso a caso para talvez voltar atrás na decisão.