Assine Já
quarta, 27 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22503 Óbitos: 742
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2960 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6068 247
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
prefeitura

Funcionalismo espera mudanças

Sindicalistas cobram diminuição do número de contratados na Prefeitura

24 julho 2015 - 10h10

A sentença da Justiça que proíbe a contratação de fun­cionários temporários que não atenda aos requisitos previstos em lei pela Prefeitura de Cabo Frio repercutiu positivamente entre sindicatos e entidades de classe da cidade. Com a deci­são, a cobrança pela realização de concurso público voltou à pauta dos sindicalistas.

 – Na Educação, já havíamos conseguido junto ao Judiciário barrar um pouco as contrata­ções desenfreadas, com a ordem para contratar de forma emer­gencial os concursados de 2009. A iniciativa do MP em impedir a contratação temporária é mui­to importante, pois vem de en­contro as nossas reivindicações da chamada efetiva dos concur­sados de 2009 e a realização do concurso de forma emergencial – opinou a diretora do Sepe-La­gos, Denise Teixeira.

O posicionamento da pro­fessora vai ao encontro do que pensa o diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de Cabo Frio (Sindsaúde), Gelcimar Al­meida. Para Mazinho, que ontem participava da Conferência Municipal de Saúde, a decisão foi ‘corretíssima’.

– Defendo a abertura de con­curso público para a Saúde, como forma de entrada no serviço pú­blico. Não pode o trabalhador ficar sem as mesmas garantias que os efetivos têm. A Justiça e o Ministério Público estão cor­retos, pois é preciso acabar com esse ‘entra e sai’ de funcionários que acabam não criando vínculo com o serviço público – avalia Mazinho, que estima em pelo menos 60% o percentual de pro­fissionais de contratados no setor, incluindo auxiliares de enferma­gem, enfermeiros, médicos e fi­sioterapeutas.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (24)