Assine Já
segunda, 28 de setembro de 2020
Região dos Lagos
35ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8099 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 487 10
Arraial do Cabo 248 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
frio

Frio faz muitos cabofrienses tirarem o casaco do armário

Por outro lado, turistas ignoram mar gelado e aproveitam Praia do Forte

06 julho 2017 - 13h05Por Texto e fotos: Rodrigo Branco
Frio faz muitos cabofrienses tirarem o casaco do armário

A chegada de uma frente fria típica de inverno derrubou as temperaturas na região. E bastou isso para o cabofriense correr para o armário e tirar peças de roupas que costumam ficar esquecidas, as ditas mais pesadas.

Durante uma rápida caminhada pelas ruas, é fácil constatar a troca do leve e habitual figurino praiano pelos casacos, cachecóis e, até, sobretudos.
Para a estudante Larissa de Sena, de 17 anos, o frio não chega a ser um incômodo e sim uma oportunidade de mudar para um visual, por assim dizer, ‘mais elegante’.

– Acho que nessa época as pessoas se vestem melhor. Roupa curta me incomoda. Eu gosto é de andar de sobretudo – comenta.

O garçom David de Almeida, 34, confirma a mudança de hábito.

– A gente usa roupa que está muito tempo guardada – diz ele de calça jeans e casaco amarrado na cintura, enquanto caminha na orla da Praia do Forte.
Mas nem todos têm uma relação agradável com a estação. A estudante Eliza Gonçalves, 21, muda o vestuário para evitar as doenças respiratórias que costumam atacá-la nesta época do ano.

– Eu evito até sair, principalmente à noite, porque é a maior ‘friaca’. Ando agasalhada porque tenho sinusite e o nariz entope – relata.

O amigo Douglas Medeiros, 20, diz que sente preguiça por causa do frio.

– Não tenho ânimo de sair com esse tempo. Saímos agora porque abriu esse solzinho – diz o estudante.

Movimento no comércio – A queda nas temperaturas aumentou a procura por peças de frio, sobretudo nas lojas populares da cidade. Os comerciantes têmtrabalhado com promoções para atrair os consumidores, desconfiados em tempos de crise.

Pesquisando pelos estabelecimentos, é possível encontrar um conjunto de casaco e calça comprida por R$ 30. Item indispensável em época de chuva a qualquer hora do dia, os guarda-chuvas saem entre R$ 12 e R$ 35, dependendo do modelo. Impulsionado pelas recentes noites geladas, o comércio de produtos de cama também ganhou impulso.

– Mantas e edredons começaram a ter boa saída porque estamos fazendo promoções e o frio chegou – diz Cátia Regina, vendedora de uma loja no Centro.

Comércio popular investe em promoções para tentar atrair consumidor

Frio continua – O tempo permanece instável em Cabo Frio e nas outras cidades da região, pelo menos, até amanhã. De acordo com o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), para hoje, há previsão de chuva a qualquer hora do dia. A possibilidade de que isso aconteça é de 70%.

Em Cabo Frio, a temperatura vai ficar entre 19º e 23º. Apenas a partir de sábado, o sol deve aparecer com mais intensidade, entre nuvens. A frente fria deve permanecer até a próxima semana.

Vento e água gelada não desanimam turistas

Talita aprova praia, mesmo no inverno: "Fica mais vazia nessa época"

As temperaturas mais baixas em Cabo Frio podem causar desconforto para muitos, mas não incomodam aqueles que não estão sempre na cidade. Ontem, bastou um solzinho aparecer na tarde de inverno para que a Praia do Forte recebesse um público até surpreendente para esta época do ano.
A maioria dos banhistas era composta por turistas que ignoraram o mar gelado e o vento cortante para relaxar. É o caso da família do farmacêutico militar mineiro Luiz Carlos Pinho, de 52 anos.

– Em Juiz de Fora, nesta época, faz muito frio. Para nós, aqui está verão – comemorou.

A autônoma Talita Vilela, 24, veio de Conservatória para curtir uma semana de folga com a mãe, Celi.

– Está ótimo assim. É bom vir nessa época porque fica mais vazio – afirma.

Já o diretor de fotografia Luis Simpson, 37, aproveitava as ondas de cerca de um metro de altura para arriscar manobras.

– Está perfeito o mar. Meio gelado, mas é por causa do vento – diz o surfista.